segunda-feira, 12 de julho de 2010

O trabalho infantil em nosso país

Adriano Couto


Hoje em nosso país segundo estatísticas, existem milhares de crianças e adolescentes que trabalham, tanto em serviços simples, como em serviços pesados também.
Nas regiões mais pobres do nosso país, principalmente no semi-árido nordestino, crianças desde cedo, trocam seus carrinhos e bonecas, por foices e enxadas para ajudarem no sustento da família, geralmente numerosa e sem as mínimas condições necessárias para seu bem-estar e sobrevivência. Nos canaviais, é um exemplo típico desta realidade, crianças trabalham como “bóias frias” ou até mesmo em carvoeiras, olarias e entre outras atividades, arriscando muitas vezes sua integridade física e até mesmo a vida.
Acredito que nossos jovens devem ser incentivados e apoiados pára estudar e ingressar no mercado de trabalho, mas também não podemos condenar essas famílias miseráveis que colocam seus filhos para ajudar no sustento da casa. O que devemos condenar é a exploração do trabalho infantil, pois em muitos casos, os pais não querem trabalhar e obrigam os seus filhos a ser pedinte nas ruas, até mesmo assaltar, para sustentar algum vício que os progenitores possam ter.
O nosso governo em parceira com a sociedade deveria analisar mais de perto tal situação e realizar políticas públicas para amenizar esta triste realidade. Mas fica pairando a pergunta no ar: Quem é o culpado? Os políticos ou a sociedade? Analise as estatísticas, reflita e você terá o resultado.

Um comentário:

  1. O trabalho infantil segue o raciocínio de mais do mesmo, eu creio que quando uma família consegue viver uma geração sem o trabalho infantil ela nunca mais tornará a usar dele.

    ResponderExcluir