domingo, 5 de junho de 2011

Posters soviéticos traduzidos para o português


Servimos o povo! Nas folhas está escrito:prestação de contas do deputado

Se você não ler os livros esquecerá as letras


O conhecimento romperá as correntes da escravidão


Morte ao Imperialismo Mundial


Entrem para o Partido Comunista


Ajuda aos famintos à americana!


Abaixo as festas religiosas!


Religião é veneno! Proteja as crianças! Escola!


A religião é entorpecente para o povo.


Fonte: Blog História UFP

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Fascismo Pentecostal



Adriano Couto

Este texto poderia ser muito longo, poderia consultar inúmeras fontes na internet, pois fatos para testificar o título não faltam, mas farei um relato da minha experiência pessoal que acredito ser mais relevante, pois falar de situações que ocorrem conosco dá uma maior credibilidade ao assunto.

Lecionei Filosofia e Ensino Religioso em uma escola do município, logo que assumi esta tarefa, tratei de trabalhar incansavelmente com meus alunos, o desenvolvimento do senso crítico, a formação de opinião. Para tal utilizei de todos os recursos pedagógicos possíveis. Além de evidenciar os aspectos sociais pertinentes a nossa realidade, foquei principalmente dois fatores que provocam a alienação: política e religião, apesar de ter uma postura neutra, estimulei os mesmos por si mesmos a questionarem as convicções pré-estabelecidas. Quanto ao aspecto político foi tranqüilo, mas no segundo... É o motivo principal deste texto.

Até então era uma pessoa muito religiosa, nunca tinha falado algo contra a fé cristã e de credo algum. Fiz um trabalho intensivo no que diz respeito ao questionamento, logo, muitos alunos contavam em casa que estavam gostando das aulas, tanto que os mesmos começaram a partilhar suas experiências familiares nas atividades de grupo.



Porém os pais começaram a comentar com os pastores de suas igrejas o que ocorria em minhas aulas, os relatos dos alunos sobre de como aprendiam as coisas por si próprios... Fato incomodou muito os dirigentes eclesiásticos locais, lembrando que no referido bairro em “quase toda esquina” tem uma igreja... Logo começaram os ataques orquestrados pelos pastores pentecostais daquela localidade, o Prof. Adriano era o amaldiçoado da vez.

Começaram com boatos descabidos para desmoralizar a minha pessoa, como não surtiu efeito porque a comunidade escolar me conhecia, começaram a manipular alguns alunos de cabeça fraca para me insultarem em sala de aula (curiosamente, os alunos que se diziam crentes eram os mais problemáticos! Porque será?). Após, vieram mães a escola para me ofender e exigir a direção a minha saída, cogitando inclusive um abaixo assinado (interessante que estas “servas do sinhô” em vez de trabalharem ficavam no portão da escola de fofoquinha ou senão de fuxico com seus reverendos...tem muitas “irmãs” o tamanho da língua é proporcional ao da saia, aconselho que lavar uma trouxa de roupa é mais edificante...).



O estopim foi um charlatão que se diz pastor de uma denominação inexpressiva (que serve só pra assaltar o povo) teve na escola para pedir meu afastamento, alegando que eu usava supostamente a “Bíblia do Diabo” nas aulas (que cara doente! Digno de pena!) ele alegou isto pois certa vez citei um trecho bíblico na aula de Ensino Religioso a pedido dos alunos, e a linguagem do referido versículo era diferente da tradução que ele portava (além de doente, ignorante é analfabeto!)

Fora situações que fui acusado de satanista, ateu (como se ser ateu fosse um crime!), inimigo da fé, que estaria corrompendo valores cristãos, modelos instituídos por Deus, prócer do comunismo ateu, que minha pessoa não deveria ensinar os alunos questionar as autoridades, pois se governam é porque Deus permite e se existe miséria na sociedade é porque estas pessoas são pecadoras e tudo isso ocorre porque é da vontade de Deus...

Que bando de gente doente! Só porque ensinei os alunos a observarem o mundo que estão inseridos, lhes ensinei a serem agentes transformadores naquele local, ensinei o método, VER-JULGAR-AGIR, próprio da Teologia da Libertação, ensinei a crítica social e paguei um alto preço por isso, sofri calúnias, perseguições e senti o peso do braço pastoral fascista, hipócrita e intolerante, as vezes me sentia como Estevão e Jesus diante do Sinédrio enfurecido, bando de fanáticos religiosos!



Sem contra as perseguições que sofro de familiares que congregam nestas igrejas, é aquela velha estória que só eles serão salvos e todo o restante irão para um suposto inferno, como não compactuo com estas asneiras, logo sou alvo de fofocas e intrigas constantes que inclusive já me causaram inúmeros contratempos.

Não sou contra a espiritualidade, cada um se relaciona com o ser superior que julga acreditar da maneira que achar conveniente, mas sou contra a religião institucionalizada! To cansado dessa ideologia fascista de “Deus, Pátria e Família” que impera também nas igrejas pentecostais. Não to generalizando também que todos os pentecostais tem essa mentalidade, tem pessoas maravilhosas neste meio, mas a grande maioria tem essa mentalidade fascista, doentia, como poderia eu estar inserido nestas fileiras depois de tudo que já me fizeram? Acontece que não sei ser falso e não sou hipócrita! Através deste texto você leitor (a) pode percerber porque critico tanto o movimento pentecostal, não é de graça, tenho os meus motivos que não são só estes que foram citados, tem muitos outros, mais isso vamos deixar para uma outra ocasião...Abaixo o fanatismo religioso!!!

quarta-feira, 23 de março de 2011

Jovem butiaense é vítima de preconceito em escola por se declarar atéia

Adriano Couto




Mais uma vez torno a este assunto, você que está lendo pode estar pensando, lá vem ele de novo com essa história, mas fico me perguntando, até quando vou ter que continuar denunciando situações como esta? Nesta ocasião a minha amiga (a mesma do outro texto) na aula de Ensino Religioso da sua escola, foi perguntada pela sua professora se acreditava em Deus, qual religião que professava. Então a jovem deu sua resposta com argumentos contundentes, gerando desta forma a indignação da regente da classe que a interpelou dizendo que a mesma era obrigada a acreditar em Deus, que era inconcebível alguém não acreditar em Deus e outros absurdos... Antes de explanar minha indignação, afirmo que é louvável uma pessoa desenvolver sua espiritualidade, a transcendência, também não gosto de gerar conflitos, debato idéias e não pessoas. Porém paciência tem limite e a minha já foi pro espaço faz muito tempo! Enquanto tiver pessoas mesquinhas e preconceituosas nesta cidade, vou erguer minha voz em protesto!

Ninguém pode ser obrigado a crer ou a não crer e nem ser constrangido por não querer rezar a cartilha do professor. Nosso estado é laico, e por falar em estado, não sou acadêmico de Direito, mas conheço algumas leis e procuro citar, neste caso encontrei duas que são as seguintes:

INCITAÇÃO À DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO POR RELIGIÃO:
LEI 7.716/1989 – Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, RELIGIÃO ou procedência nacional.
Pena: reclusão de um a três anos e multa;

INJÚRIA
CÓDIGO PENAL – Art. 140 – Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro:
Pena – detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
(…)
§ 3º – Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência.
Pena – reclusão de um a três anos e multa.

Ou seja, ninguém pode ser obrigado a torcer pelo time A ou B, militar politicamente no partido C ou D, então quando se fala em religião, nem se fala, pior ainda, porque para muitas pessoas é aquilo que ela cultiva de mais especial em seu interior, é algo que envolve expectativas futuras, o além túmulo, todas as incertezas e inseguranças do ser humano, por isso é um assunto tão delicado e que não se deve obrigar a ninguém a tomar um posicionamento, cada um sabe o que é melhor para si.

Um questionamento que há muito tempo me incomoda, porque muitas dessas pessoas que se dizem acreditar em Deus vivem como se o mesmo não existisse??? O testemunho deveria falar mais alto, tem que viver aquilo que professa, seja lá o credo que for! Vamos deixar de ser hipócritas, sejamos coerentes com si próprios! Um exemplo típico vai numa penitenciária e pergunta aos que cometeram os crimes mais hediondos qual deles acredita em Deus e qual é ateu? Tu vai te surpreender com as respostas!

Os cristãos, em especial evangélicos sempre reclamam que são perseguidos, que a sociedade não os entende e etc, porém são os maiores perseguidores! Usam de preconceito, intolerância, fanatismo, racismo, xenofobia, homofobia e entre outros, se você não está inserido nas suas fileiras, tu és fuzilado com rotulações toscas, grosseiras, sendo amaldiçoado, espragejado, perseguido e vítima de fofocas é claro, que podem arruinar tua vida social conforme tenho presenciado alguns exemplos e se tu és ateu ou agnóstico nem se fala, as agressões se intensificam.

Falando em fofoca, muitos deles são peritos nesta “arte”, acho que rasgaram de suas bíblias o trecho da Carta do Apóstolo Tiago, capítulo 3, versículos 5-6.8 que diz o seguinte: “É isto o que acontece com a língua: mesmo pequena, ela se gaba de grandes coisas. Vejam como uma grande floresta pode ser incendiada por uma pequena chama!A língua é um fogo. Ela é um mundo de maldade, ocupa o seu lugar no nosso corpo e espalha o mal em todo o nosso ser. Com o fogo que vem do próprio inferno, ela põe toda a nossa vida em chamas.Mas ninguém ainda foi capaz de dominar a língua. Ela é má, cheia de veneno mortal, e ninguém a pode controlar”. Quem estiver pensando em vir pregar para mim, achando que estou supostamente endemoniado, nem tentem porque vão passar vergonha, pois modéstia a parte, estudei Teologia um bom tempo, tenho conhecimento em exegese, hermenêutica (ambos compreendem estudo da Bíblia em si e sua interpretação), teologia sistemática (engloba teologia doutrinal, dogmática e filosófica), soteriologia (doutrina da salvação), escatologia (estudo do fim dos tempos), apologética (defesa da fé cristã contra seitas e heresias) e entre outras ramificações do conhecimento teológico. Quando critico neste espaço, escrevo com propriedade, com conhecimento de causa, sei muito bem o que escrevo, ao contrário de muita gente que só fala besteira e arruínam a vida dos seus irmãos de fé, não quero ser o dono da verdade e nem pretendo ser, é um apenas um desabafo, pois não suporto este tipo de coisa, para concluir utilizo as mesmas palavras que o próprio Jesus disse naquela época para qualificar este tipo de gente: HIPÓCRITAS!!! RAÇA DE VÍBORAS!!!

quarta-feira, 9 de março de 2011

Intolerância religiosa no lar




Adriano Couto

Após o feriadão de muitas festas, volto com minha coluna semanal, tratando sobre um assunto que tomei conhecimento hoje que me deixou muito revoltado, já falei sobre isto algumas vezes neste espaço, mas dessa vez ocorreu muito próximo a mim, com uma amiga muito especial, onde a mesma está sofrendo com violentas perseguições religiosas dentro de sua própria casa.

A família desta amiga participa já faz alguns anos de uma denominação pentecostal de nossa cidade, sendo ela criada neste contexto religioso, porém ocorre que já faz algum tempo após muito estudar filosofia iluminista (minha favorita!), lendo também Nietzsche, Voltaire, Bertrand Russel, Sartre, dentre outros, e questionar algumas coisas, a mesma descobriu-se atéia, não sendo os ensinamentos religiosos compatíveis para seus anseios. Devido a isto ela parou de freqüentar a sua denominação por não concordar com o que lhe era apresentado e também porque já não se sentia bem neste local, pois já não fazia mais sentido estar ali se não acreditava no que era pregado. Então ela me procurou e falou abertamente sobre seu posicionamento a respeito do assunto e perguntou qual era a minha opinião, após ouvir sua explanação dei-lhe meu apoio para o que fosse necessário, inclusive lhe emprestei alguns livros.

Desde que ela deixou de freqüentar a instituição, começaram as perseguições religiosas por parte da família e pessoas próximas, toda sorte de ameaças, chantagens, insinuações de que a mesma poderia estar possuída por supostos espíritos malignos, sendo que seus pais chamaram “irmãos” para orarem por ela e fazerem um exorcismo. A repressão aumentou ainda mais quando ela se viu obrigada a confessar para a família sua opção ateísta, onde perdeu amigos, o apoio dos próprios familiares que a constrangem a todo o momento, sendo que se torna impossível a convivência na casa paterna, inclusive esta amiga está pensando em ir embora da cidade devida tamanha perseguição, ela diz que entende sua família, porém eles jamais a entenderão, pois estão cegos pelo fanatismo e com medo que ela “vá para o inferno”, obsessão esta que faz com que os mesmos venham a agir desta forma. Ela me relatou que existem muitos outros casos como o dela aqui na cidade, porém são silenciados por pastores e familiares sob a alegação de manifestação diabólica.




Convém lembrar que o Código Penal Brasileiro, Art. 208 afirma: "Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa” é crime! Pois seus pais lhe proibiram até a aproximação dos amigos, pois os mesmo são endemoniados e são de má influência (também estou na lista! Que momento!). Agora toda a semana receberá visita de outros religiosos para orarem para repreender este “espírito maligno”. Vivemos em um Estado Laico, nesta situação está sendo desrespeitado até mesmo o direito básico de Ir e Vir.

Compartilho com ela minha revolta, pois estamos no século XXI e alguns penteco-xiitas não aprendem a conviver com as diferenças! Como podemos obrigar a pessoa crer em algo contra a sua vontade? Temos o direito e a liberdade de crença e não crença que deve ser garantida por lei! Se a pessoa assume um posicionamento como ateu ou agnóstico ela deve ser respeitada igualmente. Pessoas que promovem este tipo de terrorismo religioso são geralmente mal resolvidas com si próprias, cheias de frustração, querem tiranizar quem pensa diferente, não respeitam ninguém, se acham donos da verdade, acima do bem e do mal, são arrogantes, prepotentes, hipócritas, totalmente diferentes do modelo que Cristo pregava.

Como humanista que sou, apresento- me como porta voz dos “desviados” (rotulação que recebem aqueles que deixam a congregação) dos “desigrejados” (aqueles que acreditam em Deus e que não freqüentam igreja alguma), dos ateus e agnósticos, estes últimos dentre os quais tenho muitos amigos, pessoas maravilhosas.
Sempre que souber de algo desta natureza, que representa um verdadeiro desrespeito a liberdade de expressão, vou explanar neste espaço com certeza, levantarei minha voz contra! Denunciarei esta barbárie, esta amiga é muito jovem ainda para sofrer tamanha perseguição, imagine como deve estar à situação psicológica desta moça, com ameaças de inferno, castigo divino e privações que vem sofrendo? Isto é crime! É proibido questionar? Filosofia é coisa do diabo? Que ridículo!

Chega de despotismo religioso! Ninguém é obrigado a crer no que não quer! Vamos nos respeitar!

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

“Balneário” Açude Grande

Adriano Couto

Todo verão é a mesma coisa, surgem denúncias e mais denúncias de pessoas que tornaram o nosso manancial em balneário, camping ou algo desta natureza! Isto é um absurdo! Ridículo! Somente gente tosca, medíocre, é capaz de banhar-se neste local, sabendo que vai beber desta mesma água posteriormente.

Imagina a criatura tomando banho, faz um xixi na água, ou se da uma dor de barriga no individuo, ou senão o cara foi com namorada dá uma “banda” no matinho e depois volta e lava as partes íntimas na água, depois na tua casa, tu pega a água para fazer comida ou botar na geladeira para tomar depois bem geladinha, tu tomaria esta água? Você que está lendo este texto deve ter ficado com nojo com certeza, mas infelizmente é o que acontece e o pior é que pagamos muito caro por esta água e de muito má qualidade. Ta certo que a água é tratada, mas mesmo assim ela pode ter um alto índice de coliformes fecais que podem causar muitas doenças, quem tem dinheiro compra água mineral para tomar, e o povão?

A Corsan como responsável pelo local deveria colocar um vigilante no local ou planejar alguma forma de coibir os banhos no Açude Grande, que é um verdadeiro desrespeito a comunidade butiaense.

Como estatal, a Corsan não deveria visar somente o lucro, mas sim prestar um serviço de qualidade, a água é muito cara, tem um gosto horrível, quando a mesmo não deveria ter gosto, cheiro e nem cor, tem muito cloro, quando estoura um cano na tua rua, leva muito tempo para mandar os operários irem consertar, enquanto desperdiçam-se muitos metros cúbicos de água potável, quando a mesma está se tornando cada vez mais escassa, chegará o tempo que haverá guerras por causa dela, valerá mais do que o petróleo, será uma espécie de ouro líquido. Realmente a instituição deixa muito a desejar e, além disso, parecem não se importar com a comunidade butiaenses que todo ano clama por solução quanto à questão dos banhos e a mesma pouco faz para resolver este problema, porém não esquecem de todo mês deixarem a fatura na caixinha do correio.

Também a Corsan não pode levar toda a culpa, é óbvio que este transtorno todo é causado por alguns “veranistas” butiaenses que gostam do “contato com a natureza” e acham que o Açude Grande é o local ideal para banho e camping. Isto é questão de cultura, ou melhor, falta dela, só alguém com déficit de inteligência e com qualquer coisa na cabeça, exceto cérebro é que pode tomar banho lá.

Este assunto é sério, é questão de saúde pública, se um dia você leitor estiver passando pelo local ou souber de alguém que está “desfrutando” do manancial, DENUNCIE! Avise imediatamente a Brigada Militar através dos telefones 190 ou 3652 1124.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Quando a religião é um agente causador de infelicidade

Adriano Couto

Primeiro é importante salientar que não é a crença em Deus em si que é prejudicial, mas a religião, que criou dogmas e verdades que muitas vezes atrapalham a vida humana até os dias de hoje.

A maioria acredita que só pode ser feliz, bom, ético e ter moral se crer em Deus e ter religião. Não é verdade. Assim como existem religiosos e ateus felizes e que procuram ser bons e éticos, há religiosos e ateus infelizes e que não se preocupam em cometer maldades. A crença religiosa não é condição básica para alguém ser feliz e bom.

Certamente a fé religiosa tem muitos méritos: consolar, dar ânimo para enfrentar as adversidades, tornar alguém rude em uma pessoa mais generosa e etc.

Muitas pessoas, no entanto, enfrentam a vida com destemor e praticam o bem “apesar” de serem atéias ou não terem religião.

A religião começa ser um obstáculo ao nosso bem estar quando ela determina de que modo devemos viver, impondo regras de comportamento, e ditando quem merece viver ou morrer, quem merece o céu e quem deve ir para o inferno. A religião começa a ser perigosa quando incentiva pessoas a matar em nome do seu deus, quando persegue todos os que não fazem parte da sua crença, quando impõe obstáculos à ciência, enfim, quando baseia sua moral em livros chamados “sagrados”.

Os últimos achados arqueológicos comprovam que a Bíblia contém gritantes erros históricos, e está recheada de lendas e mitos, e que foi escrita, sobretudo com interesses de propaganda religiosas para validar a crença de que Deus havia escolhido o povo judeu como guia da humanidade (uma visão antiga já seguida por mesopotâmicos, egípcios, gregos, etc, que também no auge das suas civilizações pensavam ser preferidos de um deus).

Portanto os escritores bíblicos não foram orientados por uma voz divina, mas por sacerdotes baseados em lendas, folclore, mitologias e inclusive fatos históricos, que foram devidamente alterados e deturpados para se encaixar ao que desejavam os integrantes do clero judaico, e mais tarde, ao cristianismo, a religião que sobreveio ao judaísmo.

Veremos agora quais são esses obstáculos criados pela religião que tanto atrapalham a felicidade humana, como foram criados e com que objetivos.

a)Inferno

A maioria das sociedades tem em sua tradição religiosa a crença na vida após a morte. Onde uns são premiados e outros castigados.

Os antigos sacerdotes mesopotâmicos já alertavam o povo que se não fossem obedientes, não seguissem seus deuses, padeceriam em tormentos no outro lado da vida. Os egípcios também acreditavam que os maus seriam devorados por um deus terrível, com forma de leão e hipopótamo. Os gregos diziam que os maus entrariam no tártaro, lugar de terrível sofrimento. O judaísmo ensinava que todos (bons e maus) iriam para o sheol (embaixo da terra) lugar de inconsciência, portanto sem alegria nem sofrimento.

Opinião geral dos estudiosos não comprometidos com religião e mesmo de muitos teólogos modernos, é que o inferno é uma ficção, uma arma usada pelos antigos sacerdotes para manter o povo quieto e obediente. Uma forma de tornar a classe sacerdotal poderosa, pois com medo de uma futura punição no além túmulo, o povo era facilmente manipulado a fazer o que os poderosos pediam.

O inferno é interessante no ponto de vista do controle social. Muitas pessoas deixam de fazer o mal por temerem um castigo futuro. Por outro lado, o medo do inferno é um grande problema porque muitos não vivem satisfatoriamente, pois aprendem na Igreja que o prazer é pecado e pecadores têm como destino o inferno.

Os danos que o medo de desagradar a Igreja causam, são conhecidos por psicólogos e terapeutas, que passam trabalho para lidar com os devotos impressionados.

E chegamos ao segundo e terceiro obstáculos criado pela religião que considero nocivos que ainda hoje provocam traumas e lotam consultórios de psiquiatria:


b)Pecado

Quase todas as religiões mantêm o conceito de pecado. É uma transgressão a Deus. O pecador pode sofrer penas leves como recitar orações, bem como pagar o erro com a própria vida. E o que é pecado na religião? Depende a religião.

c)Sexo

Segundo as religiões, onde existem mais pecados é na esfera da sexualidade. Desde o nascer da religião, os sacerdotes tiveram o cuidado de impor limites aos prazeres sexuais.

Porque toda essa preocupação de Deus, que na verdade foi criação da classe sacerdotal, para com o prazer sexual?

Os interesses eram muitos.

Naturalmente existem algumas formas de sexo que qualquer pessoa sensata e racional é contra, seja ela crente ou não. Ou pelo menos deveria ser. São aquelas relações que causam sofrimento no outro e buscam apenas o prazer pessoal. Por exemplo, o estupro, a pedofilia, a zoofilia e o adultério.

No entanto há muitas formas de sexo que não deveriam ser criticadas e proibidas, aquelas feitas por adultos sadios e conscientes, com anuência de ambas as partes. Infelizmente, a religião também intervém nos desejos sexuais, e cria problemas onde não deveria se meter.

Uma das proibições mais comuns é o sexo antes do casamento. Certamente um dos motivos desta proibição foi uma honrosa preocupação da classe sacerdotal e política da Antiguidade em proteger as mulheres que poderiam engravidar e serem abandonadas pelos parceiros. Não era interessante para as autoridades acolher e sustentar tantas crianças vindo ao mundo sem um pai.

Como os jovens continuavam a fazer sexo antes de casar, os escribas judeus incluíram a pena de morte para mulheres que não guardassem a virgindade para o marido, na intenção de coibir o sexo antes do casamento.


O código Mosaico (assim chamado por ser atribuído a Moisés) tentando evitar que as mulheres tivessem relações antes do casamento pune com a lapidação as noivas que não apresentassem sinais de virgindade na noite de núpcias. Após a denúncia do noivo ofendido, e comprovada pelos sacerdotes, a noiva era levada para frente da casa paterna e apedrejada até a morte (Deuteronômio 22,13). Faziam isso, pois acreditavam ser uma lei dada por Deus.

Penso que somente a busca do conhecimento, e uma profunda reflexão, sincera e diligente, podem afastar da vida humana o terror aplicado pelas idéias dogmáticas das teocracias que ainda resistem em nosso meio. Então, quem sabe, em alguns anos as pessoas não sofrerão mais com a truculência de chefes religiosos em ditar modelos de comportamentos e nem com ameaças de quem não segui-los, irá arder no fogo do inferno.

Assim como os deuses que moravam nos montes sagrados e hoje não passam de lendas, espero que no futuro a humanidade se afaste das superstições e crendices tolas, e que coloque no fundo do baú mitológico todos os deuses juízes e raivosos, os demônios e seus caldeirões ferventes e os infalíveis intérpretes do sagrado.

Para uma humanidade feliz e sadia, não precisamos de leis entregues a profetas, que dizem falar com os céus, nem seguir dogmas inventados. Precisamos de conhecimento, bom senso e fraternidade entre as nações e governos honestos comprometidos com o bem estar do povo.