segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Por os jovens costumam tirar fotos em espelhos ou em banheiros ou, ainda, nos dois e postar no facebook?

Cristiano Bodart

Essa pergunta foi-me perguntado por um dos leitores do Café com Sociologia. Existem diversas possibilidades de respostas, mas buscarei, me apropriando da Sociologia, dar uma “resposta” pelo menos orientadora a uma reflexão.

Vivemos em uma sociedade onde a vida torna-se cada vez mais privada. O individualismo marcante de nossa sociedade tem levado os jovens a se fecharem em seu mundo, embora o ser humano tenha tendência a interagir com outros indivíduos. A internet acaba sendo uma espécie de “válvula de escape” para essa individualidade que o perturba. Perturba por que o que somos só somos a partir do outro que é o nosso parâmetro. Buscamos ser muita coisa só por que do outro (não teria porque usar roupas novas e caras sem que as pessoas soubessem, ser bonito sem ser visto...). Vivemos o momento do "apareço logo existo!", mesmo em um mundo tão tendencioso à privacidade.

Mas se só será algo a partir do outro, como lhe dar com o individualismo?

A saída tem sido a interação social por meio das redes virtuais de relacionamento. Por meio de tais redes o jovem consegue manter sua individualidade de forma pública. Como assim? Simples: mantendo-se em meu mundo real individualizado e, ao mesmo tempo, participando de um outro mundo mais social, porém mais seguro que aquele. Mais seguro por que sua publicidade de certa forma é controlável. Pode escolher quem e o que quer compartilhar, o que nas relações sociais cara-a-cara não é tal fácil de fazer. Pode ter centenas de amigos e deixar de ter tais amigos em poucos cliques. Mas o que tem isso tudo a ver com fotos em espelhos e banheiros?

O individualismo fez com que o jovem se sinta mais seguro quando estar só. Estando só, no banheiro ou no quarto, cria-se um cenário propício a auto fotografar-se sem constrangimentos, sem ninguém para avalia-lo. Assim, em seu mundinho individual se sente seguro para fazer tantas poses forem necessárias para uma foto classificáveis como boa (que em meu ver são sempre horríveis, principalmente aquelas acompanhadas de biquinhos... rsrsrs). Não tendo nenhum parâmetro não precisa se preocupar com “micos”. Feitas as poses agora terá a possibilidade de publicizar no facebook a foto escolhida, tida como a melhor. Essa publicização ocorre de modo controlado... a qualquer sinal... qualquer comentário indesejado... a foto poderá ser retirada do compartilhamento. Essa postura aponta que a coletividade só é realizável devido a possibilidade de, ao menor sinal de perigo, retornar a “individualidade segura”. Assim, aparece para existir!

Em suma, não seria possível se expor no mundo real a micos carregados de poses e biquinhos... melhor recorrer ao espelho!



Fonte: Blog Café com Sociologia

Nenhum comentário:

Postar um comentário