sexta-feira, 31 de maio de 2013

Universidade Federal de Ouro Preto abriga “Centro de Difusão do Comunismo”




Que as universidades brasileiras se converteram nas últimas décadas em centros de propagação das ideologias e mitologias da esquerda é fato que hoje ninguém mais ignora. O que muita gente não sabe é que a Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) abriga, oficialmente, um “Centro de Difusão do Comunismo”.

Não é piada, não. Vejam aqui.

O Centro de Difusão do Comunismo (CDC) está vinculado ao curso de Serviço Social da UFOP, e desenvolve (ou desenvolvia até 2012), sob a coordenação do Prof. André Luiz Monteiro Mayer, dois projetos de extensão: a Liga dos Comunistas e a Equipe Rosa Luxemburgo. O primeiro (que tem, ou teve, apoio do CNPq) se apresenta como um “núcleo de estudo e pesquisa sobre o movimento do real, referenciado à teoria social de Marx e à tradição marxista”; e o segundo como um grupo “de Debate e Militância Política Anticapitalista”.

Não se trata, portanto, de um centro destinado a estudar o comunismo. O CDC existe para difundi-lo. Seu objetivo é “lutar por uma sociedade para além do capital!”

A Liga dos Comunistas da UFOP possui, é claro, um Manifesto, que termina assim:

A Liga dos Comunistas vem manifestar a sua radical opção: desejamos a morte das relações sociais impostas pelo capital; lutaremos pela sua ruína e superação com todas as armas que forem possíveis; e esperamos poder contribuir com a emancipação humana, rumo a outro modelo de sociedade "para além do Capital", no qual as relações sociais serão construídas para atender as necessidades básicas, material e espiritual, do ser social.

Morte ao Capital!


O problema é que, em vez do Capital -- que continua aí, firme e forte, alimentando os Andrés Luízes da vida --, o que os comunistas mataram foi gente de carne e osso. Uns 100 milhões, mais ou menos, só no séc. XX.

Agora deem uma olhada no currículo do Prof. André Luiz Monteiro Mayer(dados informados pelo próprio):

Militante Comunista. Doutor em Serviço Social pela UFRJ (Concentração em Teoria Social). Professor do Curso de Serviço Social da UFOP. Coordenador do Programa: Centro de Difusão do Comunismo (CDC-UFOP) com quatro ações vinculadas: (...) Tem experiência na área de assessoria aos movimentos sociais e nas seguintes áreas de ensino: teoria social, pesquisa, serviço social (projeto pedagógico). Debate principalmente os seguintes temas: capital, relações sociais, reificação, comunismo, serviço social (fundamentos teórico-metodológicos da vida social).

Pelas aulas que dá e pela militância que desenvolve na UFOP -- uma universidade pública, mantida com dinheiro de impostos pagos por toda a população --, o Prof. André Mayer recebe, de acordo com o Portal da Transparência, R$ 8.839,53 por mês.




Fonte: Site Escola sem Partido

http://escolasempartido.org/universidades/393-universidade-federal-de-ouro-preto-abriga-centro-de-difusao-do-comunismo

Sobre livros bons e livros ruins



Publicado por Sostenes Lima

Segundo Schopenhauer, “livros ruins [..] roubam tempo, dinheiro e atenção do público, coisas que pertencem por direito aos bons livros e aos seus objetivos. [...] Eles [os livros ruins] não são apenas inúteis, mas realmente prejudiciais. [...] São veneno intelectual capaz de fazer definhar o espírito”[1].

Para mim, não há livro bom ou livro ruim. Há livros que se adequam aos interesses dos variados tipos de leitores. Penso que todo leitor é suficientemente capaz de escolher os livros que lhe interessam, sem ser tutelado por uma suposta elite intelectual. Se o leitor escolhe ler Augusto Cury, que seja Augusto Cury; se Freud, que seja Freud; Se Kant, que seja Kant; se Paulo Coelho, que seja Paulo Coelho; se Carpinejar, que seja Carpinejar; se Machado de Assis, que seja Machado de Assis; se Tolstoi, que seja Tolstoi; se Dalai Lama, que seja Dalai Lama; etc. etc. etc.

Penso que estabelecer que um livro é inerentemente bom – porque foi aclamado pela crítica literária, sendo considerado digno de pertencer ao canon, ou porque é aclamado pelo corporativismo acadêmico – não passa de elitismo, uma forma de controle ideológico. Quem estabeleceu que “tempo, dinheiro e atenção do público” são um direito dos “livros bons”? Sob que parâmetro, senão uma medida ideológica, um livro é considerado “bom” e outro “ruim”?

PS. Para ser menos contraditório, deixo claro que o meu posicionamento também resulta de uma medida ideológica, evidentemente.

***
[1] Schopenhauer, A. A arte de escrever. Porto Alegre: LP& M, 2007. p. 131, 133.

Fonte: Site Livros só mudam pessoas

História de um médico cubano, por Sandro Vaia


O Dr. Gilberto Velazco nasceu em 1980 em Havana e recebeu seu diploma de médico em 15 de julho de 2005.
No depoimento que me deu por e-mail e por telefone, disse que a sua graduação foi antecipada em um ano depois de uma “formação crítica e gravemente ruim”, excessivamente teórica, feita através de livros desatualizados, velhos, rasgados, faltando páginas, além de “uma forte doutrinação política”.
No hospital onde fez residência havia apenas dois aparelhos de raio X para atender todas as ocorrências noturnas de Havana e não dispunha sequer de reagentes para exames de glicemia.
Pouco adiantava prescrever remédios para os pacientes porque a maioria deles não estava disponível nas farmácias.
A situação médica no país é tão precária que Cuba está vivendo atualmente uma epidemia inédita de cólera e dengue.
Em 2 de fevereiro de 2006 foi enviado à Bolívia numa Brigada Médica de 140 integrantes -14 grupos de 10 médicos cada - que iria socorrer vítimas de inundações que nunca chegou a ver.
No voo entre Cuba e a Bolívia conversou sobre assuntos médicos com o vizinho de poltrona e descobriu que ele não era médico, mas provavelmente oficial de inteligência cubana. Calcula que em cada 140 médicos 10 eram paramilitares.
Na Bolívia, onde lhe disseram que iria permanecer por 3 meses, ficou sabendo que deveria ficar no mínimo por 2 anos, recebendo 100 dólares de salário por mês e que a família receberia 50 dólares em Cuba - quantia que, segundo ele, nunca foi paga.
Viveu e trabalhou em Santa Cruz de la Sierra e em Porto Suarez, na fronteira com o Brasil.
Todos os componentes da Brigada recebiam um draconiano regulamento disciplinar de 12 páginas, dividido em 11 capítulos, que fixava desde horários e requisitos para permissões de saída até regras para relações amorosas com nativos e punia contatos com eventuais desertores.
Os médicos verdadeiros eram vigiados pelos falsos médicos que, segundo Gilberto, andavam com muito dinheiro e armas. Ainda assim, o Dr. Gilberto, em 29 de março de 2006, conseguiu pedir formalmente asilo político à Polícia Federal em Corumbá e foi enviado a São Paulo, onde ficou 11 meses.
Pediu à Polícia Federal a regularização de sua situação para poder fazer os Testes de Revalidação Médica exigidos pelo Conselho Federal de Medicina, mas o pedido de asilo foi negado.
Como o prazo de refúgio concedido pelo Conare - Comitê Nacional para os Refugiados - terminava em fevereiro de 2007, pediu asilo aos EUA no consulado de São Paulo, e em 2 de janeiro de 2007 viajou para Miami, Flórida, onde vive agora.
A família do Dr. Gilberto foi penalizada por sua deserção com 3 anos de proibição de viagem ao exterior, mas atualmente vive com ele na Flórida.
Ele trabalhou para uma empresa internacional de seguros de saúde, onde chegou a receber 50 mil dólares anuais, e atualmente está estudando para concluir os exames de revalidação de seu diploma médico nos EUA.

Sandro Vaia é jornalista. Foi repórter, redator e editor do Jornal da Tarde, diretor de Redação da revista Afinal, diretor de Informação da Agência Estado e diretor de Redação de “O Estado de S.Paulo”. É autor do livro “A Ilha Roubada”, (editora Barcarolla) sobre a blogueira cubana Yoani Sanchez. E.mail: svaia@uol.com.br

Fonte: Blog Brasil - Liberdade e Democracia

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Ouvindo vozes (humor)




Fonte: Eu tenho horror a pobre



Idosa encontra em museu diário de namorado morto na Segunda Guerra Mundial, há quase 70 anos

Laura Mae Davis Burlingame, de 90 anos, mostra a foto que estava no diário do então namorado Foto: Michael Conroy / AP
Laura Mae Davis Burlingame, de 90 anos, mostra a foto que estava no diário do então namorado Foto: Michael Conroy / AP


Publicado por Extra

Antes de morrer na Segunda Guerra Mundial, em 1944, aos 22 anos, o oficial Thomas Jones escreveu o que chamou de “último pedido de vida”: quem encontrasse o diário dele, deveria entregá-lo a Laura Mae Davis, a garota que amava. Mas moça em questão só encontrou o diário na semana passada, quase 70 anos após a morte do rapaz, em uma visita ao Museu Nacional da Segunda Guerra Mundial, em Nova Orleans, nos Estados Unidos.

Jones morreu em uma batalha contra os japoneses, em uma ilha no Pacífico Sul. Ele foi atingido por uma bala na cabeça, por um atirador de elite. Laura se casou um ano depois, em 1945, e nunca imaginou que o diário que ela deu para Jones havia sobrevivido à guerra. A mulher, de 90 anos, encontrou o documento em uma vitrine do museu, e reconheceu a própria foto nele.

- Eu não tinha ideia de que havia um diário aqui – disse ela, emocionada, em entrevista à agência de notícias Associated Press.
O rapaz de 22 anos pediu que o diário fosse entregue para a namorada Foto: / AP
O rapaz de 22 anos pediu que o diário fosse entregue para a namorada Foto: / AP


Laura foi até o museu na esperança de encontrar alguma foto de Jones, com quem havia namorado ainda na adolescência. Ela era líder de torcida e ele jogava na equipe de basquete da mesma escola. Os dois foram ao baile de formatura juntos. Laura ficou empolgadíssima ao descobrir o registro do romance de tantos anos.

- Eu pensei que poderia encontrar fotos dele e dos companheiros que serviram na guerra com ele, e artigos sobre o local onde eles serviram – contou a anciã.
Laura só encontrou o diário 70 anos depois Foto: / AP
Laura só encontrou o diário 70 anos depois Foto: / AP


Laura recebeu permissão para olhar o diário de perto. Afinal, foi a primeira vez em 17 anos que alguém se reconhecia nos documentos expostos ali.

Após a morte de Jones, o diário foi encaminhado para a irmã dele. Depois, o documento ficou com o sobrinho dele, e foi entregue ao museu em 2001. Ele disse que não chegou a entrar em contato com Laura por receio de que causasse problemas no casamento dela. Coisa que a americana jurou ser impossível:

- Meu marido e Tommy eram ótimos amigos – garante.

Laura ficou emocionada com a quantidade de vezes que Jones mencionou o nome dela no diário, onde havia inúmeras cartas nunca enviadas para a amada e para os pais. Laura teve que deixar o documento para trás, no museu, mas saiu com a garantia de que receberia uma cópia digitalizada, conforme pediu o oficial, há 69 anos:

“Todo o meu amor para Laura, por quem o meu coração está completamente preenchido. Então, se você tiver a chance, por favor devolva o diário a ela. Estou escrevendo isso como meu último desejo”, suplicou Jones.
Thomas “Cotton” Jones morreu em 1944 Foto: / AP
Thomas “Cotton” Jones morreu em 1944 Foto: / AP

Fonte: Site Livros só mudam pessoas

Tratamento para dependentes químicos com religião divide especialistas



Ninguém sabe ao certo quantas comunidades terapêuticas existem no país e qual o tipo de trabalho que cada uma delas executa.

O número mais aproximado vem de um censo do Ministério da Justiça e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em que as próprias entidades se cadastram. Estão listadas 1.830 comunidades- 407 em SP.

Estima-se que a maioria seja mantida por alguma entidade religiosa e tenha a "espiritualização" como foco -em algumas, rezar é o único tratamento oferecido.

Por isso, alguns especialistas colocam em dúvida a eficácia do tratamento. "Não há evidências científicas de que funciona", afirma o professor da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Luís Fernando Tófoli.

Na Conquista, a presença nos encontros espirituais, que ocorrem três vezes na semana, é obrigatória -mesmo que o paciente prefira ficar sentado, sem participar.

Antes de todas as refeições reza-se e, às vezes, há uma "chamada oral" de salmos -o nome de um dos pacientes é chamado e pede-se para que ele recite um.

Também não é permitido tocar músicas "do mundo" (que não sejam religiosas).

A questão gera polêmica entre os especialistas.

Para Elisaldo Carlini, membro do comitê de peritos sobre drogas e álcool da OMS (Organização Mundial da Saúde), ela pode ajudar.

"O grande diferencial das comunidades terapêuticas é, justamente, a ênfase colocada na espiritualidade. O objetivo é que por meio da religião o indivíduo encontre a si próprio e encontre forças para superar o vício."

Para Tófoli, a religião é aceitável quando o tratamento não leva verba pública.

"Quando a gente envolve o dinheiro público no tratamento é complicado ter um modelo onde o indivíduo tem que celebrar rituais".

Ronaldo Laranjeira, coordenador do Programa Recomeço, diz que comunidades que fizerem o convenio com o Estado não poderão obrigar que os internos participem de atividades do tipo.

"Não vamos financiar conversão religiosa", diz. Ele reconhece, entretanto, que a maioria delas estabelece atividades espirituais.

"Elas praticam a reabilitação: parar de usar drogas e restabelecer valores básicos de vida. Por isso elas podem transmitir valores universais de espiritualidade".



Fonte: Folha / Blog Libertos do Opressor

Sobre o perdao das dividas de paises africanos - Elio Gaspari

Raras vezes concordo com esse jornalista, que geralmemte é superficial e adora fazer trocadilhos sem graça. Desta vez parece que acertou...
Paulo Roberto de Almeida

Dilma, a mãe dos cleptocratas
Elio Gaspari
O Globo, 29/05/2013

Na foto: Denis Sassou Nguesso, presidente do Congo-Brazzaville.

Com a prodigalidade de uma imperatriz, a doutora Dilma anunciou em Adis Abeba que perdoou as dívidas de doze países africanos com o Brasil. Coisa de US$ 900 milhões. O Congo-Brazzaville ficará livre de um espeto de US$ 352 milhões.

Quem lê a palavra “perdão” associada a um país africano pode pensar num gesto altruísta, em proveito de crianças como Denis, que nasceu na pobre província de Oyo, num país assolado por conflitos durante os quais quatro presidentes foram depostos e um assassinado, cuja taxa de matrículas de crianças declinou de 79% em 1991 para 44% em 2005. No Congo Brazzaville 70% da população vivem com menos de US$ 1 por dia.

Lenda. Denis Sassou Nguesso nasceu na pobre província de Oyo, mas se deu bem na vida. Foi militar, socialista e estatizante. Esteve no poder de 1979 a 1992, voltou em 1997 e lá permanece, como um autocrata bilionário privatista. Tem 16 imóveis em Paris, filhos riquíssimos e seu país está entre os mais corruptos do mundo.

Em tese, o perdão da doutora destina-se a alavancar interesses empresariais brasileiros. Todas as dívidas caloteadas envolveram créditos de bancos oficiais concedidos exatamente com esse argumento. As relações promíscuas do Planalto com a banca pública, exportadores e empreiteiras têm uma história de fracassos.

O namoro com Saddam Hussein custou as pernas à Mendes Junior e o campo de Majnoon à Petrobras. Em 2010 o soba da Guiné Equatorial, visitado por Lula durante seu mandarinato, negociava a compra de um tríplex de dois mil metros quadrados na Avenida Vieira Souto. Coisa de US$ 10 milhões.

Do tamanho de Alagoas, essa Guiné tem a maior renda per capita da África e um dos piores índices de desenvolvimento do mundo.

O repórter José Casado chamou a atenção para uma coincidência: em 2007, quando a doutora Dilma era chefe da Casa Civil, o governo anunciou o perdão de uma dívida de US$ 932 milhões.

Se o anúncio de Adis Abeba foi verdadeiro, em seis anos a Viúva morreu em US$ 1,8 bilhão. Se foi marquetagem, bobo é quem acredita nele.

O Brasil tornou-se um grande fornecedor de bens e serviços para países africanos e a Petrobras tem bons negócios na região.

As empreiteiras nacionais têm obras em Angola e na Líbia. Lá, tiveram uma dor de cabeça quando uma revolta derrubou e matou Muamar Kadafi, um “amigo, irmão e líder”, segundo Lula. Acolitado por empresários, seu filho expôs em São Paulo uma dezena de quadros medonhos.

Em Luanda os negócios vão bem, obrigado, e a filha do presidente José Eduardo Santos é hoje a mulher mais rica da África, com um cofrinho de US$ 2 bilhões. Ela tem 39 anos e ele está no poder há 33.

Se o Brasil não fizer negócios com os sobas, os chineses farão, assim como os americanos e europeus os fizeram.

A caixinha de Kadafi para universidades inglesas e americanas, assim como para a campanha do presidente francês Nicolas Sarkozy, está aí para provar isso. Contudo, aos poucos a comunidade internacional (noves fora a China) procura estabelecer um padrão de moralidade nos negócios com regimes ditatoriais corruptos.

A doutora diz que “o engajamento com a África tem um sentido estratégico”. Antes tivesse. O que há é oportunismo, do mesmo tipo que ligava o Brasil ao colonialismo português ou aos delírios de Saddam Hussein e do “irmão” líbio.

Elio Gaspari é jornalista.



Fonte: Blog Diplomatizzando

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Mandinga e promessa on-line


 Edição 2168 / 9 de junho de 2010


Um site alvoroça adolescentes com "despachos" para emagrecer 
e arranjar namorado. Outro oferece o pagamento de promessas 
sem sair de casa


Laura Ming e Marina Yamaoka
Eduardo Martino/Documentography
YO NO CREO EN BRUJAS...
Usuário do Macumba Online, Pedro diz entrar no site "por brincadeira",
mas, vítima de um despacho, quis saber como livrar-se da macumba

Sexo é a coisa mais esquisita que alguém pode praticar pela internet? Só pode ser dessa opinião quem não conhece o Macumba Online. "Tudo o que você conseguiria fazer num terreiro, na tela do seu computador", anuncia o site. Com 2 milhões de acessos em pouco mais de dois anos, o endereço oferece mandingas para qualquer fim: desde fazer alguém passar no vestibular ou conseguir carteira de motorista até tornar-se "irresistível mesmo sendo feio". No campo das maldades, a oferta é igualmente vasta: pode-se levar um desafeto a engordar, ser traído, perder os dentes ou desenvolver incontinência urinária. Para isso, basta cadastrar-se, escolher a macumba que se quer entre as 86 opções disponíveis, digitar o endereço eletrônico do malquisto (ou beneficiado) e, saravá, a mandinga está feita e anunciada ao mesmo tempo. O autor pode permanecer no anonimato, se quiser.

Os adolescentes são os principais usuários do serviço. Entre os "trabalhos" mais procurados estão os destinados a recuperar o(a) namorado(a), a emagrecer e a ganhar dinheiro (leia o quadro ao lado). Mandingas para favorecer ou prejudicar um time de futebol também são muito populares. "No ano passado, alguém fez um pedido para ajudar o Cruzeiro. O time derrotou o Atlético e o site explodiu", conta o criador do Macumba Online, que pede para não ser identificado e garante nunca ter pisado em um terreiro ("Tenho medo", diz). Ele afirma ter criado o endereço "por brincadeira". Também "por brincadeira" o estudante carioca Pedro Souto Rodrigues, de 21 anos, diz ter encomendado três macumbas eletrônicas – uma para ser sorteado na loteria, outra para deixar o irmão com diarreia e uma terceira para conseguir "algo bom". Por enquanto, nenhum de seus pedidos teve sucesso, e a única coisa que o estudante ganhou por frequentar o site foi um e-mail ameaçador. A mensagem dizia que, por causa do seu hábito de "chutar" macumbas alheias (um dos "serviços" oferecidos pelo Macumba Online), Pedro havia se tornado alvo de um despacho na vida real e, em consequência, teria "dias de agonia e sofrimento". Ele diz que não ficou assustado com a ameaça, mas, na dúvida, resolveu escrever para o site para saber como se livrar da maldição.
O animismo não é o único território para além do mundo físico que a internet invadiu. O site Meu Santo é um sucesso entre os católicos. No ar há cinco anos, conquistou 2 milhões de usuários com a oferta da "promessa on-line". O endereço lista os nomes de mais de 200 santas e santos católicos. O interessado escolhe um e dirige a ele o seu pedido (essa parte é grátis). Caso seja atendido, paga a promessa em "santinhos virtuais" – imagens acompanhadas de mensagens de agradecimento que o site se encarrega de produzir e distribuir mediante uma "doação" de 50 reais por parte do agraciado. O preço vale para cada lote de 1 000 e-mails enviados. O idealizador do negócio, o empresário paulistano Maurício Zanzini, de 51 anos, diz que não se trata de spams. Os e-mails são mandados apenas para pessoas cadastradas no banco de dados do Meu Santo, garante. Segundo ele, a ideia não é lucrar com o serviço, mas "divulgar a fé". O dinheiro que ganha, Zanzini afirma usar para manter o provedor. "E o que sobra eu doo a instituições de caridade que cuidam de animais abandonados."
A secretária Ivonete Maia dos Santos, de 35 anos, recorreu ao Meu Santo para realizar um sonho antigo, conhecer pessoalmente o cantor Daniel. Dois dias antes de ir a um show do sertanejo, ela entrou no site e fez o pedido a Santo Expedito, o das causas urgentes. Antes do espetáculo, conseguiu entrar no camarim do ídolo e ainda tirou várias fotos com ele. Agradecida, encomendou 1 000 santinhos virtuais ao Meu Santo. Diz que achou o método "mais cômodo". "Se mandasse imprimir os folhetos na gráfica, não saberia como distribuí-los depois", diz. Já o corretor de imóveis Artur Francisco Martinez, de 46 anos, tem argumento mais sustentável para justificar a opção pelo serviço. "O santinho virtual é ecologicamente correto. É uma forma de expressar a fé sem gastar papel", diz. Ele usou o Meu Santo para agradecer o recebimento de um pacote extraviado pelo correio.
Perguntada se aprova o método, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) não disse nem que sim nem que não. Por meio da assessoria de imprensa da entidade, o padre Carlos Gustavo Haas afirmou: "Cada pessoa é livre para manifestar os seus sentimentos religiosos. No entanto, do ponto de vista da Igreja Católica, é mais significativo expressar a fé cristã em gestos de solidariedade e em celebrações comunitárias". E ele não se refere aqui a nenhuma comunidade do Orkut.

Claudio Gatti
AGRADEÇO A SANTO EXPEDITO
Ivonete sonhava em encontrar 
o cantor Daniel. Fez promessa 
on-line e pagou-a em santinhos virtuais


Fonte: Site da Revista Veja

O Caso Ford: um desagravo a Olívio Dutra


“A Ford não estava sequer cumprindo o
acordo que havia feito com o governo
anterior”
Ainda cabe recurso, é certo, mas a decisão da juíza Lilian Cristiane Siman, da 5ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Porto Alegre, condenando a Ford a ressarcir o Rio Grande do Sul em mais de R$ 160 milhões por ter recebido recursos públicos e desistido de instalar uma filial em Guaíba, repercute intensamente desde terça-feira à noite nas redes sociais, tomando a forma, entre outras coisas, de um desagravo ao ex-governador Olívio Dutra (PT). Como se sabe, o governo Olívio Dutra comeu o pão que o diabo amassou por ter ousado questionar os termos do contrato firmado pelo governo Antônio Britto (PMDB) com a montadora.

A Ford acabou trocando o Rio Grande do Sul pela Bahia em um processo que envolveu, entre outras decisões, a edição de uma Medida Provisória pelo governo Fernando Henrique Cardoso estabelecendo vantagens muito maiores para a empresa se instalar em Camaçari. Na época e nos anos seguintes, Olívio Dutra qualificou o episódio como um desrespeito ao pacto federativo. “Uma unidade da Federação, com um governo eleito, com um programa, buscou sentar com uma empresa do porte da Ford para tentar renegociar um acordo com um custo menor para o Estado. A União se atravessou no caminho, se sobrepondo a essa negociação, possibilitando que a Ford saísse da mesa”, disse o ex-chefe do Executivo gaúcho em uma entrevista concedida à Carta Maior em 2006.

“O acordo era uma insanidade”

“Quando assumimos o governo”, relatou ainda Olívio, “vimos que a Ford não estava sequer cumprindo o acordo que havia feito com o governo anterior”. Havia um acordo de 30 cláusulas, sendo que 29 eram de responsabilidade do Estado e uma era da responsabilidade da Ford. “Pois nem esse acordo a empresa estava cumprindo. Era um acordo que estava fora da realidade do Rio Grande então, que não tinha dinheiro para pagar os seus funcionários e tinha que repassar uma soma volumosa para aquela multinacional poderosa. A Ford tinha na época um faturamento de 382 bilhões de reais. O PIB do Rio Grande na época era de 92 bilhões de reais. A arrecadação do Rio Grande na época era de 8,5 bilhões de reais. Como é que um Estado que tem essa estrutura de carência pode estar repassando recursos volumosos para a Ford, que tem esse faturamento de 382 bilhões. Era uma insanidade”, definiu o ex-governador.

O governo gaúcho iniciou então uma negociação direta com a Ford. “Estávamos em plena negociação com a empresa quando se atravessou o governo federal de então, instigado por parlamentares e bancadas aqui do Rio Grande e da Câmara Federal, para impedir que nós prosseguíssemos com a negociação, que estava andando”, relata Olívio.

Mas o estrago político estava feito. O ex-secretário de Desenvolvimento, Zeca Moraes, já falecido, foi outro a ser crucificado em praça pública por discursos raivosos no parlamento e na mídia, que repetiam incansavelmente críticas e xingamento aos “inimigos do progresso”. Os veículos da RBS, em especial, passaram anos a fio, construindo uma narrativa que transformava a empresa e o desenvolvimento do Rio Grande do Sul em vítima de um “governo sectário e estreito”. O governo Olívio havia “mandado a Ford embora”. Era isso que importava. E a expressão virou bordão de muitas e muitas campanhas eleitorais.

A operação para levar a Ford para a Bahia

A operação para levar a Ford para a Bahia foi pesada. Somente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a empresa recebeu R$ 691 milhões. O empresário Antônio Ermírio de Moraes disse, em julho de 1999, que “não teria coragem de pedir tantos incentivos porque seria imoral da minha parte”. “A Ford é uma empresa suficientemente rica e não precisa do dinheiro do contribuinte brasileiro para montar fábricas. Não tenho nada contra. A Ford é bem-vinda, mas que traga o seu dinheirinho”, acrescentou, na época, o empresário.

No dia 29 de junho de 1999, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei de conversão a MP 1740, prorrogando, ate 31 de dezembro daquele ano, incentivos fiscais para a instalação de montadoras no país. A decisão beneficiou diretamente a Ford, que decidiu levar para a Bahia a montadora que seria instalada inicialmente no Rio Grande do Sul. A Medida Provisória, que estava na 32ª edição, previa apenas a prorrogação de incentivos fiscais para o Nordeste e a Amazônia. Porém, o projeto de lei de conversão apresentado pelo deputado federal Jose Carlos Aleluia (PFL/BA), incluiu a extensão dos benefícios a montadoras, que haviam expirado em maio de 1997.

Conforme reportagem publicada no jornal O Globo (10/07/1999), o Palácio do Planalto teve influência direta na decisão da Ford ir para a Bahia. O texto da Medida Provisória 1.740/32, que concedeu incentivos para a instalação da montadora, foi escrito no Gabinete da Casa Civil do Palácio do Planalto, depois de negociações que envolveram o então ministro Clóvis Carvalho, técnicos da área econômica, o então secretário da Indústria e Comércio da Bahia, Benito Gama, e os deputados baianos José Carlos Aleluia (PFL) e Manoel Castro (PFL). A reunião ocorreu no dia 29 de junho de 1999, mesmo dia da aprovação da MP.

“É uma aberração”, protestou Mário Covas

O PT e os demais partidos de oposição ao governo Fernando Henrique Cardoso votaram contra o projeto por entender que ele constituía destinação indevida de recursos públicos para o setor privado. O então governador paulista Mario Covas (PSDB) considerou uma “aberração” a concessão de benefícios para a instalação da fabrica da Ford na Bahia. Em entrevista ao jornal Estado de São Paulo (10/07/1999), Covas disse que “com a instalação, a Bahia produziria automóveis com um custo muito mais barato do que em outros Estados”. “A concessão pode acabar prejudicando todo o pais, alem de ser ruim também para os outros Estados: seria uma concorrência predatória absolutamente descabida”, acrescentou Covas.

O Estadão, em um editorial intitulado “Bom para a Bahia, ruim para o Brasil” (03/07/2000), também criticou a alteração do regime automotivo que possibilitou a ida da empresa para a Bahia. O prazo estava esgotado desde 31 de maio de 1997 e o governo federal tinha se comprometido com o Mercosul e a Organização Mundial do Comércio (OMC) a não reabri-lo.

O editorial aponta os incentivos que seriam concedidos à montadora caso a alteração do regime automotivo fosse aprovada, como de fato foi: isenção do imposto de importação para máquinas e equipamentos, redução de 90% para matérias-primas, peças e componentes e redução de até 50% para importação de veículos; isenção do IPI na compra de máquinas e equipamentos e redução de 45% na compra de matérias-primas; isenção do adicional de frete da Marinha Mercante; isenção do IOF nas operações de câmbio para importação; e isenção do imposto de renda sobre o lucro do empreendimento. Os benefícios oferecidos pelo governo da Bahia eram bem menores, envolvendo isenções de ICMS e empréstimos diretos e indiretos. Diante desse quadro, o editorial do Estadão concluiu: “Se o projeto não for vetado, os empregos e as receitas ficarão na Bahia, mas a conta irá para todos os brasileiros”.

Tudo isso foi noticiado muito discretamente na época aqui no Rio Grande do Sul, ou simplesmente omitido. Mesmo que a decisão final ainda vá levar alguns anos, a sentença dessa semana serve ao menos para lembrar de um governo que ousou questionar a voracidade de uma grande empresa multinacional sobre os recursos públicos do Estado.

Marco Weissheimer

No Sul21


Fonte: Blog Com Texto Livre

Literatura brasileira: um problema lúdico

1


Márcia Tiburi, no Blog da Cosac Naify

Há quem diga, por amor à retórica, às frases feitas ou ao senso comum, que não existe literatura brasileira em nosso dias. Por um lado, é uma ideia divertida e vale a pena brincar com ela tomando-a como provocação que faz pensar, pois o que poderá significar “literatura” ou até mesmo “literatura brasileira” não é questão de se jogar fora sem análise.

Podemos pensar a coisa toda em termos lúdicos, como se faz com um objeto quando se quer que ele sirva de brinquedo: uma pedra que vira cavalo, um sapato que vira carrinho, pedaço de papel que vira avião. A literatura pode ser este brinquedo: cada um pode inventar um significado e, dependendo de regras, podemos até brincar juntos. Escrevemos livros, publicamos e lemos uns aos outros. Até que alguém não vai mais querer brincar, vai sair jogando tudo para o alto por estar perdendo no jogo ou simplesmente por não gostar mais das regras. E, tudo bem, dirão os que continuarem a brincar para o colega que deixou a cena: pode brincar sozinho ou emburrar num canto. E, no meio do pátio literário, cada um que leia o que quiser. Assim é com os que escrevem ou leem literatura, acreditem ou não em sua existência.

Verdade que se continua a escrevê-la e até a lê-la. Por isso é que a ideia de que literatura brasileira não existe é, por outro lado, uma ideia um pouco inútil. Mas é uma coisa inútil boa: ela nos coloca diante dos livros com o mesmo problema que temos diante de um filme quando nos perguntamos “isso é cinema?”, ou, diante de uma obra de arte, “isso é arte?”. É claro que, se entendemos que literatura é jogo de linguagem, talvez o jogo não esteja sendo bem jogado. Assim, tem quem diga, talvez por amor ao espírito da catástrofe, que o futebol também morreu. Será que o que está no gramado é futebol? Verdade é que o futebol pode ter morrido, mas o povo (e o mercado) continua jogando. A literatura pode inexistir, mas os escritores (e o mercado) continuam escrevendo. E quando se joga e se escreve inventa-se uma coisa diferente da essência tida como verdadeira só porque veio antes.

O que é literatura?

1


Dizem os mais atentos que a arte contemporânea tem como mérito fundamental nos fazer pensar sobre o próprio conceito de arte. Pensar na arte pode parecer uma coisa muito inútil… mais valeria fazê-la, não é assim que pensamos? Arthur C. Danto, o filósofo americano que escreveu Andy Warhol, publicado no ano passado, mostrou como o artista pop, além de artista, era um filósofo não porque escrevesse filosofia além de pintar suas Marilyns e caixas de Brillo, mas porque mostrou que filosofia e arte podem ser coisas muito mais íntimas do que imaginamos. Resumo com minhas palavras: Andy Warhol brincava – no sentido sério – e, por isso, conseguiu unir arte e filosofia por meio de uma fita de Moebius. Em outras palavras, ele mostrou que cada uma dessas coisas podia ser reinventada. Nem a arte, nem a filosofia estavam mortas, mas a partir dele elas seriam coisas muito diferentes.

Militância pela leitura

Entre quem diz que não existe mais literatura no Brasil e o leitor que não lê literatura brasileira, vamos de mau a pior. Há literatura e poucos leitores relativamente ao todo da população alfabetizada. Problema real não é a literatura que se faz, que sempre encontra – e cria – seus leitores. Problema é uma educação morta que não valoriza a cultura, a arte, o conhecimento e, no meio de tudo isso, a literatura.

Fala-se em altos índices de analfabetismo funcional, e eu mesma que ando por aí falando em filosofia e literatura me dei conta de que faço uma espécie de militância pela leitura. Parece meio elementar, mas é bom dizer, apenas para fazer pensar, que havendo mais leitores, haverá mais chance de que se queira escrever mais livros. Assim teremos mais literatura e essa conversa sobre existência ou morte da literatura talvez possa se transformar, um dia, em uma verdadeira discussão por qualidade. Por enquanto, o problema é visto no âmbito da mera “quantidade”. E, no fundo, mais evidente é que nosso problema é muito mais o de proporção. Poucos escritores, poucos leitores, e um população imensa de analfabetos.

Falar das consequências implica pensar em outras responsabilidades.

* Márcia Tiburi é escritora e filósofa.
* A imagem da estante de livros foi retirada daqui.



Fonte: Site Livros só mudam pessoas

Caixa passa cervejas no ranking de anunciantes



Fernando Rodrigues




estatal é hoje a 3ª empresa que mais gasta com propaganda no Brasil

A publicação “Meio&Mensagem” informa que a Caixa Econômica Federal (CEF) já é o 3º maior anunciante do Brasil. Perde apenas para Casas Bahia e Unilever.

Os dados são do Projeto Inter-Meios e do Ibope Media.

A CEF gastou R$ 676,5 milhões em propaganda em 2012. Um aumento de 58% sobre 2011. O valor não inclui despesas de patrocínio a times de futebol, como o Corinthians.

A varejista Casas Bahia investiu R$ 1,3 bilhão em 2012. A Unilever, R$ 1,1 bilhão.

A gigante de bebidas Ambev gastou R$ 643,4 milhões em publicidade no ano passado e ficou e 4º lugar, sendo desbancada pela CEF.

A Caixa, como se sabe, foi a espinha dorsal da campanha de redução dos juros que a presidente Dilma Rousseff lançou em 2012.

O “Meio&Mensagem” informa que em 2012 a CEF ganhou 6,7 milhões de correntistas e poupadores. “A carteira de crédito da instituição financeira evoluiu 42%, encerrando o exercício anterior com saldo de R$ 353,7 bilhões”, diz a publicação.

Eis os dados:


Fonte: Blog do Fernando Rodrigues

http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2013/05/27/caixa-passa-cervejas-no-ranking-de-anunciantes/

'Jesus não foi crucificado': Evangelho vai causar colapso religioso, diz Irã





Autoridades turcas acreditam que essa possa ser uma versão autêntica do evangelho escrito pelo discípulo Barnabé


Um texto religioso encadernado em couro - provavelmente datado do século 5, porém descoberto há apenas 13 anos - vai causar o colapso do cristianismo no mundo inteiro, alega uma agência de notícias do Irã. O livro, escrito sobre pele curtida, aparentemente afirma que Jesus nunca foi crucificado e que Cristo previu a vinda do profeta Maomé. Escrito em siríaco (um dialeto do aramaico), o evangelho vaticinaria inclusive a chegada do último messias islâmico. As informações são da iraniana Basij Press e foram divulgadas pelo site conservador americano WorldNetDaily (WND).

Autoridades turcas acreditam que essa possa ser uma versão autêntica do evangelho escrito pelo discípulo Barnabé, e a imprensa iraniana afirmou que seu conteúdo vai desencadear a queda do cristianismo ao provar que o Islã é a verdadeira religião. Outras fontes, no entanto, julgaram as alegações improcedentes e a consideraram uma "risível" propaganda anticristã. ABasij Press informa que o texto foi escrito nos séculos 5 ou 6 e previu o surgimento de Maomé e da religião islâmica. Segundo a agência, o mundo cristão nega a existência de tal evangelho.

No capítulo 41 do Evangelho de Barnabé, estaria escrito: "Deus se escondeu enquanto o Arcanjo Miguel os levou (Adão e Eva) para fora do céu, (e) quando Adão se virou, ele notou que sobre a porta de entrada para o céu estava escrito La elah ela Allah, Mohamad rasool Allah", que significa "Alá é o único Deus e Maomé é seu profeta".

O texto teria sido confiscado em 2000 por autoridades turcas durante um trabalho de repressão sobre gangues acusadas de contrabando de antiguidades, escavações ilegais e posse de explosivos. A descoberta, contudo, só atraiu a atenção do mundo em fevereiro deste ano, quando foi informado que o Vaticano fez uma requisição oficial para ver o livro. Ainda não se sabe se o pedido foi atendido.

As origens do suposto evangelho são desconhecidas, mas o site National Turkafirmou naquele mês que o livro foi mantido no palácio da Justiça da capital turca, Ancara, e seria transferido sob escolta policial armada para o Museu Etnográfico da cidade. Para a Basij Press, a descoberta é tão importante que vai abalar a política mundial.

"A descoberta da Bíblia original de Barnabé vai agora comprometer a Igreja e sua autoridade e revolucionar a religião no mundo", escreveu a Basij Press em seu site. "O fato mais significativo, porém, é que essa Bíblia previu a vinda do profeta Maomé e comprovou a religião do Islã."

Apesar de autoridades turcas acreditarem que o texto é verdadeiro, outros questionaram sua autenticidade. Erick Stakelbeck, um analista de terrorismo e observador próximo dos assuntos iranianos, afirmou à WND que "o regime iraniano está empenhado em erradicar o cristianismo por qualquer meio necessário, ainda que isso signifique executar cristãos convertidos, queimar Bíblias ou invadir igrejas".

Escrevendo para o site Catholic Culture, o jornalista católico Phil Lawler descreveu o conjunto de alegações como "um risível desafio iraniano ao cristianismo". Ele afirmou que "se o documento foi escrito no século 5 ou 6, não pode muito bem ter sido escrito por alguém que estava viajando com São Paulo cerca de 400 anos antes. Deve ter sido escrito por alguém reivindicando representar São Barnabé. Devemos aceitar essa alegação?", indaga Lawler. "Tenha em mente que a datação do documento é fundamental. Por volta do século 7, não era necessária muita clarividência para 'prever' a aparição de Maomé."



Fonte: Terra com informações do Daily Mail / Blog do Gari Martins da Cachoeira

Os principais erros de Marx

Texto meu (Davi Caldas), originalmente publicado no blog “Mundo Analista“. A publicação original se encontra aqui.
Toda a obra de Karl Marx pode ser resumida em dois pontos, o primeiro deles, conseqüência do segundo: a crença na bondade natural do ser humano e a acusação da burguesia como o grupo culpado pela desigualdade e pelos males do mundo. Retire um desses dois pontos e toda a sua teoria desmorona.
O primeiro ponto é importante para a teoria marxista porque somente crendo em um ser humano naturalmente bom (e/ou evolutivo, no que tange a bondade), é que ela poderia postular que a ditadura do proletariado daria certo e que depois não seria mais necessário Estado e toda a sociedade seria igualitária e pacífica. Se, ao contrário disso, crermos que a espécie humana tem uma natureza defeituosa, que tende a ser egoísta e a oprimir os outros e que só permite aos indivíduos alcançar uma bondade relativa, não há como sustentar a teoria de Marx.
A começar pela sociedade sem Estado (o último estágio do socialismo segundo o pensamento de Marx), se fosse possível ela ser estabelecida, seria um verdadeiro inferno, no qual os homens fariam o que quisessem, sem leis. E, no fim, se veria a necessidade de se retornar ao Estado; um retorno que, provavelmente, colocaria opressores no poder, que oprimiriam “em nome da ordem”. É um cenário meio hobbesiano, por certo.
Mas o estabelecimento de uma sociedade sem Estado é algo tão distante, que é na ditadura do proletariado que devemos focar. Esta sim é tão possível, que realmente ocorreu em diversos países. Contudo, não foi exatamente como Marx pensou. O que se viu não foi o povo no poder, mas sim “representantes do povo”, que usaram o discurso comunista para se tornarem ditadores, oprimirem, perseguirem, matarem e, com tudo isso, posar de heróis.
Ora, se o resultado da implantação do comunismo em todos os países foi este cenário, cabe questionar: “O ser humano realmente é bom por natureza? Ele é mesmo capaz de fazer um mundo novo e igualitário com as próprias mãos?”. Se já sempre tivemos evidências de que não, ao longo da história, o comunismo talvez seja a prova cabal de que o “homem bom” dos iluministas é um mito.
Montesquieu, embora tivesse discordâncias com essa idéia de que o homem é naturalmente mal, era bem sensato para entender que confiar no ser humano é uma tolice. Dizia ele que o poder corrompe o ser humano e que o homem que recebe poder é levado a abusar dele e vai até onde encontra limites. Ou seja, confiar no homem é correr atrás de opressão, de miséria e de genocídios.
O segundo ponto da teoria de Marx é uma conseqüência do primeiro, como já deixei claro. Como se crê na bondade do ser humano, então a culpa dos males deve ser jogada nas costas de um agente externo à natureza do homem. Sabemos que isso é uma base do pensamento esquerdista e Marx a utilizou magistralmente. Resumiu a história da sociedade na luta entre classes e afirmou que a luta entre burguesia e proletariado era o último e mais terrível estágio dessa luta histórica. Pronto. Estava definido o grande inimigo do mundo: a burguesia.
Bem, como o ser humano não é bom, isso já derruba a idéia de que a culpa é da burguesia, o que já detona o marxismo. Mas ainda assim, cabe uma análise mais detida dessa segunda base. Isso porque o efeito psicológico que gera o ato de colocar a culpa na burguesia é muito forte. Afinal, se temos pessoas ricas enriquecendo com o trabalho de pessoas pobres, somos levados a esquecer a raiz do problema (a própria ganância do ser humano), nutrindo ódio pelos ricos. Então, colocar a culpa dos males na burguesia se torna um complemento desse impulso emocional. É a racionalização da nossa pena pelo pobre trabalhador e da nossa raiva pelo rico empresário.
A tirinha abaixo é uma tentativa evidente de incutir esse ódio à burguesia e essa pena ao proletariado na cabeça do leitor. Observe:
Mas onde estão os erros da tirinha? Em primeiro lugar, está no direcionamento da culpa para todos os empresários (a burguesia). A tirinha induz o leitor a acreditar que é a existência de empresários que cria uma sociedade desigual e cheia de exploração ao trabalhador. Assim, o leitor passa a almejar uma sociedade com menos empresários (ou sem empresários), na qual o Estado será o dono da maioria das empresas e serviços (ou de todos).
O problema é que a burguesia é apenas um bode expiatório. A culpa real dos males sociais está no egoísmo humano. Se não fôssemos egoístas, todos os patrões dividiriam mais igualitariamente as suas rendas e não haveria grandes diferenças sociais, nem exploração, nem miséria, nem fome, nem roubos, nem ganância.
Ora, se o problema não está na burguesia, mas no homem, não adianta destruir a burguesia, porque quem tiver o poder, tenderá a oprimir, e quem não tiver o poder, tenderá a buscar tê-lo. Foi exatamente o que os regimes comunistas fizeram. Governos como os de Pol Pot, Lênin, Stálin, Mao Tsé Tung, King Jong e Fidel Castro foram os responsáveis por mais de 150 milhões de mortes em menos de um século. A história do mundo não é a história da luta de classes, mas sim a história da luta pela sobrevivência, pelo status e pelo poder. E a existência de classes é apenas um reflexo disso.
Em segundo lugar, a tirinha induz o leitor a acreditar que o empresário não tem mérito nenhum na obtenção de sua riqueza. É como se o trabalhador fosse o único digno daquele dinheiro, o que transforma todos os empresários em ladrões. Para mostrar como essa é uma idéia distorcida do empresariado, recorramos a uma ilustração.
Um homem pobre resolve abrir um pequeno negócio. Vamos chamá-lo de Lúcio Meire. Como Lúcio é pobre, recorre a um empréstimo no banco para começar o seu pequeno negocio. Então, ele registra o nome de sua empresa, aluga um local, compra as mercadorias que irá vender, entra em sociedade com um amigo, investe em propaganda e inicia o negócio. Com os investimentos, ele e seu amigo vão pagando o empréstimo que fizeram no banco.
Aos poucos os lucros crescem, eles terminam de pagar o empréstimo e começam a ter dinheiro sobrando para fazer crescer o negócio. Vendendo mais que antes, vêem que é necessário empregar pessoas para auxiliá-los. Aí começam a procurar empregados e logo algumas pessoas interessadas em trabalhar aparecem e vão compondo o quadro de funcionários. Esse quadro de funcionários cresce, conforme a empresa dá mais lucro.
Os bons serviços prestados pela empresa e seus bons investimentos nos produtos e em propaganda fazem as pessoas comprarem mais dela. Surge, então, a necessidade de uma expansão espacial e ela compra terrenos ao lado para agregar mais produtos e ter possibilidade de atender a demanda. Posteriormente, começa a abrir filiais em diversos lugares. Em vinte anos, entra para a lista das melhores empresas do seu ramo.
Por ter crescido muito, sua administração se torna um pouco difícil, então a empresa transforma-se em uma “S.A.” (Sociedade Anônima), isto é, uma empresa com vários donos, cada um com um número de ações. Como os acionistas majoritários dessa empresa são homens de experiência e visão (por isso é que decidiram comprar as ações da empresa), ajudam a empresa a ter mais notoriedade no mercado. Associando-se a outras empresas, fechando contratos, expandido seus ramos, o negócio lucra cada vez mais. Por fim, a empresa de Lúcio Meire (o fundador da empresa e o homem que detém 51% das ações) se torna a número um em seu ramo de atuação. Um império presente em todo o país, após 35 anos de fundação.
Agora, vêm as perguntas: Quem teve a idéia de abrir o negócio? Quem foi que teve a coragem de insistir nessa idéia? Quem correu o risco de pegar um empréstimo e não poder pagar depois? Quem correu o risco de investir tempo, dinheiro e esforço em algo que poderia não dar certo? Quem buscou um amigo para fazer uma parceria? Quem trabalhou em idéias para propagandas? Quem investiu em bons produtos? Quem fez a empresa crescer? Quem teve a idéia de contratar funcionários? Quem empregou esses funcionários? Quem lhes deu possibilidade de tirarem sustento para si? Quem?
Quem teve que se preocupar em pagar contas de luz, água, telefone, gás, os salários dos trabalhadores, a manutenção das máquinas, a limpeza do local, os fornecedores e ainda guardar dinheiro para fazer novos investimentos? Quem continuou assumindo os riscos? Quem fez as escolhas? Quem cuidou da administração da empresa (e dos demais administradores que, com o tempo, foram surgindo)? Quem contratou bons funcionários? Quem resolveu os problemas internos? Quem venceu as crises financeiras? Quem venceu a concorrência? Quem inovou? Quem vendeu as ações? Quem soube usar bem o seu dinheiro?
A resposta para todas essas perguntas é só uma: Lúcio Meire. Se não fosse por ele, a empresa não chegaria aonde chegou. Aliás, ela nem existiria. Então, será que 35 anos após fundação da empresa, agora com milhares de funcionários, estes funcionários têm todo o direito sobre o dinheiro que produzem e Lúcio não tem direito a nada, sendo apenas um explorador e ladrão? Fizeram e fazem estes funcionários o trabalho de Lúcio, que também é essencial para a existência da empresa?
Ok, isso é uma ilustração. Essa não é a história de todo empresário. Nem todos enfrentaram tanta dificuldade ou começaram tão de baixo. Muitos empresários já vieram de uma família rica ou de classe média, o que facilita bastante. Muitos nasceram filhos de empresários e não poucos herdaram empresas de seu pai. Ainda assim, isso não tira a importância do trabalho dos donos da empresa. Cabe a eles administrarem e correrem os riscos, coisa que nem todos têm vontade, capacidade e/ou coragem para fazer.
Entende-se que quando uma pessoa escolhe trabalhar para uma empresa em vez de abrir sua própria empresa, é porque essa pessoa não tem interesse, capacidade e/ou coragem para investir nisso. Ela não deseja correr riscos. Caso contrário, ela faria como Lúcio Meire: investiria em um negócio. No entanto, ela prefere simplesmente trabalhar para uma pessoa, sem ter que se preocupar com a administração da empresa e com as funções de outros trabalhadores, mas apenas focando em sua própria função e ganhando seu salário no final do mês.
Já o dono da empresa é aquele que escolhe correr riscos e se preocupar com as diversas funções de seus vários funcionários. Se ganhou a empresa de presente de seus pais, não importa. Por exemplo, Lúcio Meire tem todo o direito de deixar sua empresa de herança para seus filhos. Afinal, o que é nosso, nós podemos dar a quem quisermos e, por direito, aquilo passa a ser da pessoa para quem demos. E a quem demos, cabe a administração e o zelo. Não é assim? Como, então, alguém pode supor que a empresa só depende do trabalho dos funcionários? Como um funcionário pode querer o mesmo salário que o dono se ele não faz também o trabalho do dono e nem tem coragem ou capacidade para fazer? Isso não faz sentido.
Aqui podemos criticar a tese da “mais-valia” de Marx. Para ele, mais-valia era o tempo que o funcionário trabalhava além do que precisava para seu sustento. E isso era algo errado para ele. Acontece que, para uma pessoa trabalhar sem precisar se preocupar com a administração de uma empresa, alguém terá que fazer isso para ela. Então, se não quero ser empresário, tenho obrigação de produzir não só para o meu sustento e para o sustento da empresa, mas para pagar a administração da qual sou isento. Se por um lado temos o funcionário produzindo mercadoria para o patrão, por outro lado temos o patrão administrando a empresa, pagando as contas, lutando contra a concorrência e assumindo os riscos para que o funcionário continue podendo produzir. É por isso que o dono não só tem direito ao que o funcionário produz como deve ganhar mais.
Agora, não estou dizendo aqui que não existe exploração ao trabalhador, que o salário de todo o proletariado é digno e que todos os empresários são pessoas justas que pagam bem a seus funcionários. Pelo contrário, se aceitamos o homem como um ser que tende à ganância, ao egoísmo e a opressão, sabemos que aqueles que se derem melhor na vida geralmente irão explorar os outros. Eis aí algo que a tirinha observa bem: existe muito trabalhador ganhando um salário que mal dá para sustentar sua família, enquanto o dono da empresa tem dinheiro para dar a volta ao mundo.
Não obstante, o problema não está no fato do dono ter muito dinheiro. Se sou o dono de algo, eu tenho o direito de ganhar o quanto quiser com esse algo. O problema está no fato dos funcionários não terem dinheiro suficiente para as necessidades básicas de todo o ser humano. E como esse problema poderia ser resolvido? Dificultando a vida dos empresários? Não! Isso só agrava a exploração do trabalhador, precisamente porque diminui a concorrência e faz surgir hegemonias. Quando se dificulta a vida de todos os empresários, só os mais ricos sobrevivem. Assim, acaba a concorrência e quem era rico se torna mais rico e poderoso. Ora, quanto mais hegemonia há, menos escolhas têm o trabalhador. Com menos escolhas, as empresas não precisam se preocupar em aumentar salários, pois a procura por emprego é grande.
Mas, ao contrário desse quadro hegemônico, quando se tem muitas empresas e uma boa concorrência, isso obriga o empresário a manter o equilíbrio entre o preço do seu produto no mercado, o salário de seus funcionários e seu lucro. Se tal equilíbrio não existir, a empresa perderá ou na competição por preços, ou na competição por funcioná-rios, ou na competição por crescimento. Em todo caso, ela tenderá à falência.
Da parte do governo, basta que o mesmo garanta ao trabalhador de gastar o seu próprio dinheiro do modo como preferir. Isso é um direito que tem sido negligenciado em função dos altíssimos impostos. O litor sabia que no Brasil, por exemplo, cerca de 40% do nosso salário vai todo embora em impostos? Isso significa que alguém que ganha 2000 reais por mês, perde 800 reais do seu dinheiro para ter uma péssima segurança, uma péssima educação e saúde públicas, péssimas estradas e etc. Será que o trabalhador não deveria ter o direito de escolher se vai perder esses 800 reais com um péssimo setor público ou com os serviços privados que ele achar melhor? Enfim…
O que tudo isso nos ensina é que as idéias de Marx simplesmente não cabem no mundo real. Marx criou um inimigo imaginário (a burguesia) apenas para não ter que lidar com o fato de que é o ser humano o grande culpado pelo mal no mundo. O mundo igualitário e pacífico que Marx sonhava não é possível por causa da própria natureza do homem, e não por causa da burguesia.
Agora, isso não quer dizer que devemos cruzar os braços e não mover uma palha para mudar alguma coisa. Quando critico a fé no homem que marxistas (e esquerdistas, em geral) sustentam, não estou fazendo uma apologia ao conformismo e ao egoísmo. É o oposto. É por ver o quão subversivas são essas utopias, que eu as critico. Creio que se vermos o mundo como ele é e atacarmos os problemas verdadeiros (em vez de bodes expiatórios), alguma coisa pode ser mudada sim. Mas enquanto acreditarmos que nutrir raiva por determinados grupos e tentar destruí-los é a solução para o mundo, estaremos sempre de mãos dadas com a opressão, os genocídios e a frustração.

Fonte: Direitas Já

O paradoxo da igualdade

Um documentário feito na Noruega, o país eleito com maior "igualdade de gênero" no mundo. O documentário é bem descontraído e mostra como a tal "igualdade de gênero" é uma tremenda estupidez, mesmo no país mais "igual" do mundo. 




Fonte: Blog Conservadorismo Brasil

Carta aberta de Lobão a Juremir Machado



Texto de Juremir Machado e a minha réplica

Juremir Machado da Silva(artigo publicado no Correio do Povo) MALA MANIFESTO

Entrevistamos Lobão no “Esfera Pública”.Li o livro dele.É a coisa mais idiota de todos os tempos.Ganha um brinde quem souber citar,sem recorrer ao Google e sem sem ter de pensar muito qual é a grande contribuição de Lobão para a música brasileira.Qual a música que Lobão que alguém canta quando está feliz?Ou quando está triste?Ou quando sente saudade de casa?Ou quando quer mandar tudo para i inferno?Ou quando se sente no paraíso?Ganha outro brinde quem souber quem é Lobão.O artista vendeu 150 mil exemplares da sua autobiografia,que poderia resumir a uma linha:uma mala.Inegavelmente Lobão é bom de provocação barata.Ele está com novo livro na praça:”Manifesto do Nada na Terra do Nunca”.O nada é assumidamente o alter-ego do autor. Yes.

Bom malandro,ele transformou a crítica em marketing pessoal de antecipação.”Quando aparece um ofendido que se acha no direito de vir me inquirindo com aquela famosa pergunta: “Quem é você?”eu respondo:Eu sou o Nada,drogado,decadente,matricida,epilético,reacionário,roqueiro.E como Nada,eu vou contar para vocês a história da Terra do Nunca,o Brasil-Peter Pan que se recusa a crescer.”Pouco sei sobre a pertinência da maioria desses qualificativos em relação a Lobão.Fico co o Nada. Mas não por sentir ofendido ou por querer agredi-lo.Apenas como uma constatação.Eu também sou nada.Ou menos que nada.Gostei da sinceridade e da lucidez do autor nos capítulos “O Reacionário”e “Confesso a vocês: Eu sou uma besta quadrada”.Pouco tenho contra os reacionários.Eu também sou um.E também uma boa besta.Retangular.

Qual o problema então?Lobão dispara contra a Semana de Arte Moderna de 1922.Afirma que a “antropofagia”não passou de nacionalismo.Tem razão.Só que isso não é novidade.Mais banal ainda é dizer que a Semana de Arte Moderna moldou o pensamento e manifestações culturais brasileiros como tropicalismo.

Lobão detona Roberto Carlos a quem chama de uma múmia “deprimida”.Pode ser.O único problema é que Lobão não serve para lustrar o mocassim dessa múmia responsável por dezenas de canções que povoam todo o imaginário brasileiro,algumas de extremo bom gosto.Num capítulo que parece ter sido escrito por um adolescente trancado no banheiro,”Vamos assassinar a presidenta da República”,:Lobão chama Dilma Rousseff de torturadora.O cérebro de Lobão é inescrutável.O texto dele consegue obscurecer tudo que aborda.O senso comum é a sua justificativa para tudo.

Segundo Nada Lobão,os Racionais Mcs são o “braço armado do PT”.não duvido.O “escritor”garante ter lido do marxista Slavov Zizek a Olavo de Carvalho.A inspiração vem do último. Comotodo atirador amargurado.Lobão sente-se perseguido por aqueles que gostaria de silenciar.”Quem ousa tecer algum comentário um pouco mais crítico sobre a realidade que nos rodeia acaba sofrendo violências morais e psicológicas,sempre no intuito de eliminar o interlocutor…É a verdadeira Terra do Nunca,onde nos recusamos a crescer”.Roqueiro reacionário não dá.Lobão quer detonar o “intelectual de esquerda”com bombas de clichês do coronel Ustra,mas sem se assumir como mala direita.Sai do armário,Lobão


CARTA ABERTA A JUREMIR MACHADO

Caro Juremir,

depois de ler o seu ataque à minha pessoa na sua coluna no Jornal gaúcho “Correio do Povo,”fico obrigado a respondê-lo através dessa carta para maiores esclarecimentos,senão ao senhor,pelo menos aos seus leitores e a quem interessar possa.Vamos por itens:

1- Já que começou ressaltando que fui entrevistado no seu programa “Esfera Pública”,poderia arrematar também que fui sumariamente retirado do ar.

2- Quando afirma peremptoriamente ter lido o livro,das duas,uma:Ou mente descaradamente,ou,se o leu(o que,nesse caso, é tão grave quanto),tem sérios problemas cognitivos ,ou pior ainda, um profundo desvio de caráter.

3- Recorrer a essa pouco enobrecedora mania de tentar despotencializar o meu discurso através de uma tática torpe em desfazer o meus méritos reais e dissimular ignorar a real importância da minha carreira musical chega a ser ingênuo e,com todo o respeito, de uma imbecilidade comprometedora.

Se por acaso o senhor tem vivido aqui no Brasil nos últimos 30 anos sem perceber a minha presença no imaginário coletivo nacional nem a minha contribuição para a música popular brasileira,posso lhe refrescar a memória,muito embora, sendo bastante constrangedor para qualquer pessoa que tenha um nível médio de informação e no seu caso específico,para um jornalista de razoável credibilidade, jactar-se de ignorar uma trajetória de um compositor que fêz canções como,Me Chama ,Corações Psicodélicos,Essa Noite Não,Revanche,Noite e Dia,Vida Bandida,Vida Louca Vida,Rádio Blá,Chorando no Campo,A Vida é Doce,Canos Silenciosos,Por Tudo que For e outra tantas mais é assinar atestado de analfabetismo musical ou exibição de pura má fé.

4- Resumir “em uma linha:uma mala”uma autobiografia de quase 600 páginas de indubitável complexidade é realmente lamentável para qualquer pessoa que honre sua dignidade pessoal quanto mais tendo a responsabilidade de assinar uma coluna em um jornal de grande circulação.

5- Querer consubstacializar um significado próprio de “Nada” para me “nadificar”é uma medida muito pouco inteligente para não dizer vulgar e preconceituosa.Está claro que o senhor fêz questão de dar umas pinceladas no texto e se ater à orelha e com isso ,se expôr ao vexame público,uma vês que o livro é um fenômeno editorial e contará com centenas de milhares de leitores atentos.

6- Acredito que seja um mal negócio para o senhor projetar a sua própria malandragem e seu “teto moral” de pouquíssima envergadura em quem ,(e muito pelo contrário!)em momento algum usou desse expediente pouco recomendável,principalmente quando a própria malandragem é um dos alvos críticos do livro.

7- Se a carapuça de Nada no sentido de coisa alguma e de reacionário lhe servem,fique sabendo que a mim, não me servem de modo algum.No seu afã de querer aniquilar a validade do meu discurso,deixou de perceber a ironia do meu texto e com isso,escapar-lhe o real significado.

8- Reduzir toda a complexidade do meu ensaio sobre a antropofagia afirmando “não passar de nacionalismo”, ou ter moldado nosso pensamento é de um simplismo galopante.O último capítulo do livro é uma mergulho e uma invasão poética no Manifesto Antropófago de Oswald de Andrade e uma abordagem, se não quiser constatar a habilidade literária,o humor e a pertinência,é,no mínimo, inédita na história da literatura brasileira.

9- Retomar viciosamente a maneira reducionista e simplória em adjetivar minha crítica como ataques pessoais ao Roberto Carlos é uma atitude tacanha e distorcedora do significado real do texto.Se teve tempo em reparar nas partes sardônicas,parece que se absteve de prestar atenção aos meus elogios e a minha constatação de que Roberto Carlos foi um herói na minha formação.Do mesma forma isso serve aos Racionais MCs,quando deixo claro minha admiração e sua influência em canções como El Desdichado 2.Mas isso não parece ser muito conveniente para a sua construção delirante de uma falsa realidade

10.-Outra coisa que gostaria muito de saber é aonde o senhor leu qualquer alusão que fosse da Dilma Roussef ser uma torturadora no livro.O senhor tomou um ácido?O capítulo em que cito a presidente é de um extremo cuidado em não condenar ninguém e mesmo sendo muito duro com a presidente e a Comissão Nacional da Verdade,em nenhum momento suponho sequer a Dilma ter sido uma torturadora e sim uma terrorista.

11-Se referir à minha pessoa como “Nada Lobão” ou “escritor”é de uma deselegância um tanto histérica e um desrespeito gratuito e grosseiro que só maculam sua credibilidade.

12-Gostaria de lembrar ao jornalista Juremir que reacionário seria aquele que ,de forma irracional,iracunda e precipitada comete uma ejaculação precoce intelectual em cultivar o ódio através de seus incofessáveis recalques e impotências transformando-os em julgamentos desleais,desonestos e inverdadeiros.

13-E para finalizar,chego à conclusão que o senhor está exatamente no escopo do intelectual(óide) de esquerda de que tanto falo no livro,o tal campeão mundial de punheta de pau mole, e caiu em todas as armadilhas que os incautos e os malandros-agulha inevitavelmente caem.É como eu mesmo advirto em um dos versos do poema do prólogo:”É subestimando o inimigo que se perdem as guerras e,desde já agradeço vossa desatenção”.




Fonte: JL Woerdedebang Filho (Facebook)
https://www.facebook.com/jl.woerdenbagfilho?ref=ts&fref=ts