quinta-feira, 10 de julho de 2014

Hospitais venezuelanos vivem pesadelo de miséria



Luis Dufaur (*)



Os hospitais privados venezuelanos estão entrando no apavorador esquema dos hospitais cubanos. Para os cidadãos, inclusive os que dispõem de seguro médico, o pesadelo virou realidade. A carência de insumos médicos básicos derrubou a qualidade do atendimento. E os hospitais privados são a última esperança, pois os públicos já estão numa ruína calamitosa, como seus congêneres da ilha-prisão.


Nos centros assistenciais do Estado, as cirurgias de feridos em acidentes de trânsito podem ser adiadas por vários meses, devido à falta de equipamentos. Apesar das dezenas de milhares de “médicos” cubanos importados, os pacientes aguardam horas a fio nos Prontos Socorros, pois faltam médicos e material para emergências.

A Asociación Venezolana de Distribuidores de Equipos Médicos, Odontológicos, de Laboratorios y Afines denunciou o aumento de amputações de membros inferiores em clínicas e hospitais, por faltarem stents periféricos que dilatam as artérias e normalizam assim o fluxo do sangue para as pernas e os pés.

Cristino García, diretor da Asociación Venezolana de Clínicas y Hospitales, confirmou que, em decorrência da falta de insumos, estão sendo adiadas intervenções como implantes cocleares (que permitem recuperar a audição, especialmente de crianças), válvulas cardíacas, stents coronários e outros, forçando os médicos a aplicar métodos de 20 anos atrás.

Em 2014, de 239 insumos, fármacos e equipamentos médicos de uso quotidiano, 200 estavam esgotados e o resto só se localizava com muita dificuldade. Os fornecedores não podem importar porque o governo não lhes permite comprar dólares.


O “socialismo do século XXI”, falido por fanatismo ideológico, regula os preços que os hospitais privados podem cobrar. García afirma que 83% dos filiados encerraram 2013 no vermelho.

( * ) Luis Dufaur é escritor e colaborador da ABIM





Fonte: Agência Boa Imprensa – (ABIM)

https://workflow.comunique-se.com.br/ViewPage.aspx?mid=3f0ac5c2-f575-4cbb-b1a7-9545aa333e53

Nenhum comentário:

Postar um comentário