domingo, 27 de julho de 2014

Um ensinamento de Darwin que você nunca aprendeu.

A natureza humana sob a visão compassiva de Darwin. 

Por Paul Ekman, PhD

Um debate pouco conhecido de Darwin sobre compaixão, revela um lado de seu pensamento ignorado por muitos, diferente da visão competitiva, cruel e egoísta da natureza humana que tem sido erroneamente atribuída a uma perspectiva darwinista.
Em 1871, onze anos antes de sua morte, o maior livro não lido de Darwin, “A Descendência do Homem e Seleção em Relação a Sexo” foi publicado. No quarto capítulo, Darwin explicou a origem do que ele chamou de simpatia (que hoje pode ser  chamado de empatia, altruísmo e compaixão), que descreve como os humanos e outros animais vêm em socorro de outros que estão em perigo.
Embora ele reconheça que tais ações fossem mais prováveis dentro do grupo familiar, ele descreveu que a maior realização moral refere-se a preocupação com o bem-estar de todos os seres vivos, humanos e não humanos.
Não é de se surpreender, dado o compromisso de Darwin para a continuidade da espécie,  que ele afirmaria que a preocupação com o bem-estar dos outros não é uma característica exclusivamente humana. Ele escreveu:
“Há vários anos, um zelador do Jardim Zoológico me mostrou algumas feridas profundas e mal curadas em sua nuca, causadas por um babuíno feroz, enquanto ele estava ajoelhado no chão.
O macaquinho americano, um grande amigo do zelador e que morava na mesma dependência,  ficou extremamente assustado com o grande babuíno. No entanto, assim que ele viu o amigo em perigo, correu para socorrê-lo, e, entre gritos e mordidas, conseguiu distrair o babuíno para que o homem fosse capaz de escapar, depois. . . de correr um grande risco de vida.”
De acordo com Darwin, a probabilidade de tais ações é maior quando quem ajuda tem alguma relação com a pessoa que necessita de ajuda. Mesmo aqueles que ele descreveu como sendo “selvagens,”  colocariam suas vidas em risco por um membro de sua comunidade. Ele citou o “instinto materno” para explicar por que uma mãe não hesitará em resgatar o seu  filho do perigo, mesmo quando isso signifique expor-se a essa mesma ameaça.
Darwin reconheceu, no entanto, que alguns indivíduos ajudam completos estranhos em perigo, e não só parentes, entes queridos ou membros de uma mesma comunidade. Sem especificar se representavam a maioria ou, simplesmente, uma ocorrência frequente, Darwin escreveu que “muitos dos homens civilizados” agiriam com bravura para ajudar um estranho, mesmo que isso implicasse em risco para suas próprias vidas.
Ele atribuiu tal heroísmo ao mesmo motivo que “. . . levou o heroico macaquinho americano, descrito anteriormente, a salvar o seu zelador, atacando o grande e terrível babuíno,” o que implica que o heroísmo relacionado a estranhos não se limita aos homens civilizados. A linha de pensamento de Darwin foi corroborada pelo estudo contemporâneo de Monroe, sobre indivíduos excepcionais que socorrem outros pondo em risco suas próprias vidas.
Darwin não leva em consideração por que a compaixão para com estranhos, mesmo sob próprio risco de vida, está presente em apenas alguns indivíduos. Existe uma predisposição genética para tais preocupações, ou isso é apenas resultado de alguma combinação entre a natureza e a criação? Além disso, Darwin não escreveu sobre a possibilidade de se cultivar tal compaixão por estranhos naqueles que não a possuem. Hoje, estes são pontos cruciais de investigação teórica e empírica.
No entanto, Darwin oferece uma explicação da origem da compaixão. Quando a dor ou o sofrimento é testemunhado involuntariamente, a testemunha  experimenta o sofrimento da pessoa.
De acordo com esta linha de raciocínio, a testemunha age para diminuir o sofrimento da outra pessoa e, dessa formadiminuiro seu próprio sofrimento tendo como base a empatia.
 Darwin não considera por que tais respostas empáticas não aparecem em  todos os indivíduos.
Seja qual for a sua origem, Darwin propôs que a seleção natural favorece o ato da compaixão:

Evolução: a sobrevivência do mais compassivo?

Por mais complexa a conduta na qual esse sentimento possa ter sido originado, uma vez que é de grande importância para todos aqueles animais que socorrem e defendem uns aos outros, ela terá sido reforçada pela seleção natural; estas comunidades, que incluem o maior número de membros mais compassivos, iriam prosperar mais  e criar a maior prole.
No entanto, ao contrário da expectativa de Darwin, não existem países conhecidos hoje ou no passado onde acompaixão e o altruísmo em relação a estranhos são manifestados pela maioria da população. (Mais tarde, no capítulo 2, Darwin fica mais realista).
A razão, que deveria ser óbvia, segundo ele, é de que as pessoas devem ser compassivas não só com estranhos em sua própria nação, e sim estender esta preocupação a todas as pessoas, de todas as nações e de todas as raças.
A experiência infelizmente nos mostrou (sic) quanto tempo leva antes de olharmos para eles como nossos semelhantes. A simpatia além das fronteiras do homem, que é a humanidade para com os animais inferiores, parece ser uma das conquistas mais recentes. Esta virtude (a preocupação com os animais inferiores), uma das mais nobres das quais o homem é dotado, parece surgir acidentalmente a partir de nossas compreensões, tornando-se mais suave e amplamente difundida, até que elas se estendam a todos os seres sencientes.”
Durante uma série de discussões, eu li esta última citação de Darwin, a respeito das emoções e compaixão, ao Dalai Lama. O tradutor do Dalai Lama exclamou: “Ele usou a frase ‘todos os seres sencientes’ “? O tradutor ficou surpreso porque esta frase é a tradução exata em Inglês da descrição tibetana e sânscrita da maior extensão de compaixão por um Bodhisattva (um santo budista).
A preocupação com o bem-estar de todos os seres vivos não é encontrada nas religiões abraâmicas (Judaísmo, Cristianismo, Islamismo), que concentram-se na preocupação com todos os seres humanos. A preocupação com os outros animais existe no hinduísmo, mas somente de forma limitada. Dentre as principais religiões do mundo, a que abrange a compaixão para com todos os seres vivos é exclusiva do budismo.
A  impressionante semelhança entre Darwin e a mais alta virtude moral do ponto de vista budista (todos os seres sencientes), e as origens da compaixão (ambos atribuem a diminuição de seu próprio sofrimento empático, e ambos observam que é mais forte em relação aos sentimentos de uma mãe para com seu filho), levantam a possibilidade de que as ideias de Darwin possam ter sido  derivadas a partir do ponto de vista das escritas budistas.
No entanto, a origem das ideias de Darwin sobre moralidade e compaixão aparecem em suas 1.838 anotações, dois anos após seu retorno da viagem do Beagle, quando Darwin tinha 29 anos de idade, cinco anos antes de ele aprender sobre budismo com seu grande amigo JD Hooker.
Ao concluir a introdução de sua edição de “”A Descendência do Homem e Seleção em Relação a Sexo”, Moore e Desmond escreveram que alguns dos contemporâneos que estudaram este livro, enfatizaram os “. . . aspectos humanos dos valores vitorianos de Darwin: dever, altruísmo e compaixão.”
Os pensamentos de Darwin sobre a compaixão, o altruísmo e a moralidade, certamente mostram um lado diferente das preocupações deste grande pensador, frequentemente retratado pelos que não são familiares com suas escritas e que se concentram na famosa frase “a sobrevivência do mais apto” (uma citação de Spencer, não de Darwin).
Mesmo alguns cientistas desconhecem o compromisso de Darwin com a harmonia da humanidade, suas convicções abolicionistas e seu grande interesse em princípios morais e no bem-estar humano e animal.
Assista agora este vídeo abaixo, onde Paul Ekman fala sobre o assunto:


Blog do Gari Martins da Cachoeira
http://martinsogaricgp.blogspot.com.br/2014/07/um-ensinamento-de-darwin-que-voce-nunca.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+BlogDoGariMartinsDaCachoeira+(Blog+do+Gari+Martins+da+Cachoeira)

Nenhum comentário:

Postar um comentário