sexta-feira, 25 de julho de 2014

Um pequeno grande livro

ESCRITO POR SILVIO GRIMALDO DE CAMARGO 

|A decadência cultural e moral é inegável, as forças intelectuais e espirituais se esvaíram. As reações são pontuais e atomísticas, quase sempre irrelevantes. Não se pode buscar uma saída para essa situação sem a compreensão do mal que nos aflige.
nerc


Publicado pela primeira vez em 1994, A Nova Era e a Revolução Cultural aparece agora em 4a edição, muito aumentada e acrescida de vários textos e artigos que desdobram, complementam e confirmam os ensaios originais escritos para aquela primeira edição. Além disso, realizei uma longa entrevista com Olavo de Carvalho, cuja transcrição aparece como posfácio dessa edição, na qual o autor faz um balanço das últimas duas décadas de nossa história política à luz das idéias contidas no livro. A Vide Editorial tem a satisfação de oferecer aos seus leitores um livro tão atual quanto relevante, fundamental para compreensão da estratégia revolucionária que levou a esquerda ao poder e de como nosso país chegou aonde chegou.

Na época de sua primeira publicação, o livro era um alerta aos brasileiros de que forças perturbadoras se agitavam nas profundezas da nossa vida política e cultural. O movimento era sutil, mas não imperceptível, e Olavo de Carvalho, com a maestria que seus leitores já conhecem, soube não apenas observar o que se passava, mas trazer aquelas forças subterrâneas à superfície e expô-las à luz do dia. O que ele nos apresentava eram dois monstros travando uma luta cujo resultado seria a destruição da nossa cultura, da nossa intelectualidade e da nossa ordem social. De um lado, agitava-se uma pseudo-espiritualidade, que se oferecia como alternativa tanto ao racionalismo cientificista moderno quanto às formas ocidentais do cristianismo tradicional, que não era, entretanto, mais do que o velho materialismo em vestes novas, reluzindo as cores de uma pretensa sabedoria oriental. De outro lado, o autor via a traição dos intelectuais, que abandonavam os deveres da vida do espírito e da busca da verdade para rebaixarem-se em meros agentes partidários, buscando, pela politização de todos os aspectos da vida, a conquista do poder. A esquerda, sobretudo o Partido dos Trabalhadores, inspirada em Antonio Gramsci, lenta e gradualmente conquistava a hegemonia cultural sobre a sociedade, alterando-lhe o senso-comum, tornado todos dóceis ao ideal socialista, agora sob a camuflagem das qualidades angélicas do petismo.

A revolução cultural gramsciana, naqueles dias, já avançara de modo excepcional, mas ainda era possível detê-la. Duas décadas depois, o que soara como um alerta nos aparece agora como um fato consumado. O país fôra tomado de assalto, as oposições foram desmanteladas, o congresso enfraquecido e posto de joelhos, as instituições infiltradas, a imprensa silenciada e comprada. A decadência cultural e moral é inegável, as forças intelectuais e espirituais se esvaíram. As reações são pontuais e atomísticas, quase sempre irrelevantes. Não se pode buscar uma saída para essa situação sem a compreensão do mal que nos aflige. Por essa razão, oferecemos ao leitor uma nova edição desse livro que há muito tempo sumira das livrarias, na esperança de que ele nos ajude a compreender onde estamos e que possa servir de luz a iluminar as sombras que se abateram sobre nós.


Um P.S. Esse foi o primeiro livro do Olavo que eu li, há 14 anos, quando eu era um jovem acadêmico de Ciências Sociais na USP e procurava entender o que havia de errado com aquele ambiente universitário que me frustrava tanto. O livrinho teve um impacto enorme em mim e de certo modo traçou meu destino, destino esse que me reservaria o privilégio e a alegria de ser o organizador e editor dessa quarta edição. A melhor maneira que encontrei para agradecer ao autor por tudo que tenho aprendido desde esse meu primeiroencontro com sua obra foi torná-la mais acessível ao maior número de pessoas possível.


Silvio Grimaldo de Camargo é sociólogo e editor.

http://silviocamargo.com/


Fonte: Site Mídia Sem Máscara
http://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/15353-um-pequeno-grande-livro.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário