domingo, 24 de agosto de 2014

Ler 50 tons de cinza faz mal às mulheres

 22 de agosto de 2014
50tons
A história de amor submisso entre Anastasia Steele e Christian Grey deixou milhões de leitoras apaixonadas pelo milionário protagonista. Mas, francamente, a trilogia “Cinquenta tons” está bem longe de ser um primor da literatura mundial. Diálogos pobres, descrições cafonas e uma boa dose de machismo. Isso não deve fazer muito bem a ninguém mesmo.
E a ciência confirma: realmente não faz bem – mas, ok, isso nada tem a ver com a qualidadeliterária do romance. A começar pela personagem Anastasia. Um estudo liderado por Amy Bonomioutros pesquisadores da Universidade do Estado de Michigan analisou o relacionamento dos dois e comparou com os padrões que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), um braço do órgão de saúde do governo americano, considera como violência interpessoal. E, segundo eles, o namoro é “emocionalmente abusivo, caracterizado por perseguiçãointimidação eisolamento”. As consequências disso? Anastasia sofre de estressedistúrbio de identidade e sensação de impotência.
A pesquisadora Amy Bonomi ainda extrapolou o mundo da ficção e quis saber se esse romance doentio influencia as leitoras. Ela e sua equipe entrevistaram 655 mulheres, entre 18 e 24 anos, para saber sobre os hábitos alimentaresvida sexual e consumo de álcool. Entre elas, 33% haviam lido pelo menos um livro da trilogia.
E, bem, as leitoras do best-seller costumavam relatar mais envolvimento com namorados violentosdistúrbios alimentares e se embriagavam com mais frequência. Elas também tendiam a ter mais parceiros sexuais do que as outras.
Pode até ser que a culpa não seja do romance em si. Talvez esse seja só o tipo de público que se sinta mais atraído pelo enredo… Mas é evidente que um best-seller mundial acaba influenciando o comportamento de um monte de gente pelo mundo.
“Representações problemáticas da violência contra a mulher na cultura popular, tanto em filmes, romances, música ou pornografia, criam uma narrativa social que normaliza esses riscos e o comportamento das mulheres”, diz o estudo. “A pesquisa mostra uma forte relação entre a saúde das mulheres e o consumo do livro. Entre as que já experimentam algum comportamento de saúde adverso (ex: distúrbio alimentar), ler 50 tons pode reafirmar essas experiências e agravar o trauma. Já as mulheres saudáveis podem passar a achar normal esse tipo de comportamento”, conclui.
Obrigada, ciência.
Crédito da foto: flickr.com/kt


Fonte: Site da Revista Superinteressante
http://super.abril.com.br/blogs/cienciamaluca/ler-50-tons-de-cinza-faz-mal-as-mulheres/?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_super

Nenhum comentário:

Postar um comentário