quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Guia paranoico para a vida sem água

Não imaginávamos que esse dia pudesse chegar, mas é inegável que estamos cada vez mais próximos da secura. Confira como se virar melhor em um cenário apocalíptico – e sem água

MARINA RIBEIRO E GIOVANA TARAKDJIAN (ARTE)

Kit Paranoico - materia  (Foto: Giovana tarakdjian)
Lembro de ter aprendido nas aulas de estudos sociais (matéria que antecedia o ensino de história e geografia no ensino fundamental) que nós brasileiros herdamos o costume de tomar banhos diários dos ancestrais indígenas. Os europeus que aqui chegaram, dizia a professora, estranhavam o hábito, que depois de séculos e séculos, acabou sendo disseminado no território brasileiro. A bela (e higiênica) tradição pode estar perto do fim, infelizmente.
Algumas das maiores cidades do país – como São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro – estão vendo os reservatórios de água cada vez mais vazios e, com a falta de chuvas, não tarda muito para que fiquemos sem água nenhuma, segundo os cenários mais pessimistas – porém factíveis. E aí?! Foi justamente o que nos perguntamos. E encontramos algumas alternativas para conseguir sobreviver sem água encanada. Confira o que será necessário para aguentar estas adversidades:

Problema 1: Como tomar banhos

A maior questão para muitos é justamente como ficar sem uma bela ducha após um dia quente. As soluções são variadas. A primeira – mais vantajosa, porém cara – é matricular-se em uma academia de ginástica com vestiário agradável e água de poço artesiano, não interessa, portanto, a qual esporte a escola se dedique ensinar. A região Sudeste – principal afetada pela estiagem – pode estar com reservatórios e rios secando, mas ainda tem muita água subterrânea. A ideia é não deixar que seu título de sedentário convicto impeça de aproveitar o melhor que uma academia pode oferecer. 

Se, em nossos piores pesadelos, a água do poço também acabar, ainda há modos de disfarçar a ausência do banho. Para os cabelos: xampu seco. Comprado em farmácias e lojas de cosméticos, os aerossóis prometem tirar a oleosidade do cabelo sem precisar de água.  Para o resto do corpo, é bom apostar em desodorantes com 48 horas (ou o mais) de proteção e perfumes em geral.  Para quando nem isso estiver fazendo efeito, lenços umedecidos estão aí para um bom banho de gato. Tenha também sempre com você álcool em gel. Ele não é tão bom quanto a combinação de água e sabão, mas vai ajudar a matar as bactérias quando lavar a mão for um luxo.

Se você estiver mais endinheirado, é possível tentar importar um kit DryBath, produto criado pelo jovem sul-africano Ludwick Marishane. Ele permite higienizar o corpo sem usar uma única gota de água, como ele explica em sua apresentação no TED.
 
 
 
 
 
 
Problema 2: Como aguentar a sede

Essa parte é realmente mais complicada. Em um verão quente e pouco úmido, como o que temos observado nos últimos meses, a expectativa é que não dê para sobreviver mais do que quatro dias sem água. Por isso, um ponto importante é ter água para beber. Por isso, tenha algumas garrafas (ou galões) em casa, para casos extremos.

Se o estoque de todos os supermercados acabar, não se desespere! Há gente poderosa investindo pesado para acabar com a sede no mundo. Michael Pritchard, por exemplo, criou uma garrafa que filtra água contaminada (mesmo as de enxurrada das grandes capitais) em poucos segundos. É verdade que o preço é bastante salgado: cerca de R$ 465 (ou 119,99 libras).
Podemos apelar para a generosidade de Bill Gates. O bilionário fundador da Microsoft tem investido em uma usina de tratamento que transforma esgoto em água potável e eletricidade. Apesar de a ideia parecer um tanto quanto nojenta, Gates garante que o Omniprocessor funciona. Até tomou um copo com água recém-tirada da máquina para provar seu ponto. Bora começar uma petição online para que Bill Gates traga uma planta de testes para São Paulo?


Problema 3: Como cozinhar?

Enquanto ainda temos luz, vale apostar em produtos congelados e que não exijam lavagem ou preparo, como frutas e legumes. Quando não tiver jeito, usemos a água estocada no item anterior. Outro aspecto que promete economizar o que restou de água é usar louças descartáveis. Uma das vantagens de ficar sem água: ninguém vai ficar cobrando que você lave a louça da pia!

Problema 4: Escovar os dentes

Resolvido o problema da comida e da louça, surge outro ponto: como escovar os dentes. Gastar água mineral com isso parece irresponsável em um cenário apocalíptico, por isso, a sugestão pode ser pouco higiênica: quem sabe substituir a escovação com pasta por uma com enxaguante bucal? O fio dental, ao menos, pode continuar a ser usado sem moderação. Além disso, chicletes podem quebrar o galho hora ou outra não? Se você treme só de pensar nisso, a Colgate tem uma escova descartável que não precisa de água para limpar os dentes. As boas notícias param por aí: o produto ainda não chegou ao Brasil... Quem sabe dê para importar (mas neste caso, talvez valha mais comprar mais água).
Problema 5: Ir ao banheiro

O lado bom de não ter muita água para beber é que suas idas ao banheiro também vão ser mais espaçadas e, consequentemente, você dará menos descarga. Mas, né, não vai dar para evitar para sempre a ida ao trono. Para isso, temos a solução: baldes, muitos baldes. Não, nada de usar os baldes como pinicos (pelo menos por enquanto). Com eles, é possível armazenar água de chuva (aquelas que inundam a cidade, mas não enchem os reservatórios) e utilizar para dar descarga depois. Outro jeito de acumular água é desmontar o sifão da pia e colocar um balde embaixo. Se ainda tiver como lavar mão, a água ensaboada pode ser usada para levar a sujeira do vaso embora. 

Moral da história...
Mais vale continuar economizando e cobrando as autoridades por medidas para que não passemos por isso todos os anos, né não? 
  •  
Kit Paranoico - materia V3 (Foto: Giovana tarakdjian)



Fonte: Site da Revista Época
http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/blog-do-planeta/noticia/2015/01/guia-paranoico-para-bvida-sem-aguab.html


Nenhum comentário:

Postar um comentário