sexta-feira, 22 de maio de 2015

Tomando um rumo errado com a “Paisagem Moral”


livro_a_paisagem_moral_correto_201013Eu realmente, realmente queria gostar do livro A Paisagem Moral: Como a ciência pode determinar os valores Humanos, de Sam Harris. Uma grande parte das minhas divergências filosóficas com meu namorado e com os cristãos em geral centravam-se sobre a questão de saber se uma crença na moralidade absoluta é compatível com o ateísmo, então cruzei meus dedos para que ver se este livro seria útil para mim como uma refutação.
Mas não.
Os problemas começam com a definição que Harris dá da ciência:
Algumas pessoas [definem] “ciência” em termos extremamente estreitos, como se fosse sinônimo de modelagem matemática ou acesso imediato aos dados experimentais. No entanto, isso é confundir a ciência com algumas de suas ferramentas. A ciênciasimplesmente representa nosso melhor esforço para entender o que está acontecendo neste universo, e as fronteiras entre ela e o pensamento racional nem sempre pode ser determinada.” [grifo nosso]
Então, em outras palavras, o subtítulo “como a ciência pode determinar os valores humanos” pode ser reformulada em “como a filosofia pode determinar valores humanos” ou mesmo “como pensar bem pode determinar os valores humanos”. Eu não discordo dessas reformulações nas frases, mas não são mais controversas ou dúbias.
E esse é realmente o problema com o livro inteiro. Harris usa seu método “científico” para derivar verdades morais realmente chatas e óbvias. Qualquer sistema moral decente deve ser capaz de argumentar que a mutilação genital feminina é ruim e que a existência de psicopatas não refuta a existência de sistemas morais. Você tem que usar exemplos melhores do que isso para explicar o sistema de raciocínio moral.
Harris parece ser um utilitário, mas ele nunca fala muito sobre como ele define utilidades. Ele fala muito sobre a felicidade, mas ele claramente não aceita todas as experiências subjetivas de felicidade como legítimas uma vez que ele afirma que a sua felicidade só é legítima na medida em que promove a felicidade e o bem-estar dos outros. Se ele realmente explorasse a fundo dilemas morais realistas, eu teria uma melhor compreensão do que ele quer dizer como ‘bem-estar’ . Assim, ele passa a maior parte do seu tempo discutindo hipóteses futuras bizarras como executar um sistema de justiça ou uma sociedade se pessoas quimicamente podem ser compelidas a não mentir.
Em última análise, Harris coloca sua esperança para o progresso moral em avanços científicos. Ele assume que a principal limitação para a tomada de decisões morais é a falta de dados. De acordo com Harris, para progredimos, precisamos ser capazes de diferenciar com mais precisão entre os diferentes resultados. Isto parece limitar o comportamento moral para as pessoas que entendem a ciência social e estatística bayesiana. Tanto quanto eu amo as duas coisas, eu acho que é possível cultivar uma atitude moral, sem um certo conhecimento dos resultados. Mas isso não é surpreendente, dado que eu estou na ética da virtude.
Fonte: Site Logos Apologética Cristã
http://logosapologetica.com/tomando-rumo-errado-paisagem-moral/

Nenhum comentário:

Postar um comentário