segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Síndrome de Tio Patinhas



Frei Betto

Thomas Piketty, em seu clássico “O Capital no Século XXI”, já demonstra que a concentração da riqueza mundial em mãos de poucas famílias (84 pessoas físicas dispõem de renda equivalente a que possuem 3,5 bilhões de pessoas – metade da humanidade, segundo a Oxfam) se deve ao aumento da especulação financeira agravado por um injusto sistema de transmissão de heranças.
Agora, François Bourguignon, em “A Globalização da Desigualdade”, reforça a tese de Piketty. O aumento da precarização do trabalho (terceirização, dessindicalização, etc.) e a redução de salários, somados ao fato de a economia globocolonizada não obedecer a normas internacionalmente aceitas (haja paraísos fiscais, verdadeiras cavernas de Ali Babá!) fazem que a diminuta elite apropriadora da riqueza supere toda a fantasia de Walt Disney ao criar a bilionária e avarenta figura do Tio Patinhas.
Bourguignon não é nenhum esquerdista. Foi economista-chefe do Banco Mundial entre 2003 e 2007. Pena que admita o que escreve no livro após deixar o banco. Enquanto no poder, o bolso falava mais alto...
Há 20 anos, demonstra ele, o padrão de vida em países como a França e a Alemanha era 20 vezes maior do que na China e na Índia. Hoje, apenas dez vezes. O leitor dirá: “Que bom! Menos desigualdade!” Bom nada. O crescimento da China e da Índia segue os mesmos parâmetros da França e da Alemanha – o voraz e piramidal capitalismo. E isso resulta em 3 bilhões de pessoas sobrevivendo com menos de US$ 2,5 (= R$ 8) por dia!
Ao abordar medidas que foram celebradas como positivas na América Latina, como privatizações e redução de gastos sociais do governo (vide o ajuste fiscal no Brasil), o autor conclui: “Muitas dessas reformas quase certamente tiveram efeitos de desigualdades. De fato, entre 1980 e 1990, ocorreu um aumento substancial na desigualdade dos países mais afetados por esses programas: Argentina, México, Peru, Equador e até o Brasil”.
E as privatizações, tão exaltados pelo governo de Fernando Henrique Cardoso e, então, criticada pelo PT, que agora faz o mesmo? Leia o que ele diz: “A transformação de monopólios públicos em privados, com regulação insuficiente, permitiu o surgimento de novos rentistas e, em alguns casos, a acumulação de imensas fortunas”.
Nos EUA a suposta democracia política em nada combina com a total falta de democracia econômica, a queda real do salário mínimo entre 1980 e 1990 e a debilidade dos sindicatos causaram aumento de 20% a 30% na desigualdade social. A fortuna dos 10% mais ricos cresceu de 64% para 71% entre 1970 e 2010.
Em suma: ou concentramos a luta política na redução da desigualdade social ou vamos todos para o brejo (fome, migrações, criminalidade, terrorismo, guerras), enquanto a diminuta elite que tudo comanda festeja na isolada ilha do privilégio e da ganância.

Frei Betto é escritor, autor de “Paraíso Perdido – Viagens ao Mundo Socialista” (Rocco), entre outros livros.
http://www.freibetto.org
Twitter: @freibetto


Fonte: Site Comércio do Jahu
http://www.comerciodojahu.com.br/post/1334289/sindrome-de-tio-patinhas

Nenhum comentário:

Postar um comentário