sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil


Adriano Couto

O tema da redação do ENEM deste ano, com sua primeira etapa realizada neste último final de semana, pegou a grande maioria dos estudantes de surpresa, tratava especificamente dos "Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil". A prova teve quatro textos motivadores diferentes. Um deles incluiu dados sobre o número de alunos surdos na educação básica entre 2010 e 2016. Outro apresentou um trecho da Constituição Federal afirmando que todos têm direito à educação. Um terceiro mostrou aos candidatos uma lei de 2002, que determinou que a Língua brasileira de sinais (Libras) se tornasse a segunda língua oficial do Brasil.

Embora não tenha realizado o exame, pessoas próximas o realizaram e conversando com estas pessoas, destacamos a importância de abordar um tema de suma importância, visando à inclusão das pessoas portadoras de deficiência auditiva. Muito fala-se de inclusão, mas na prática ainda temos de muito de caminhar, iniciativas significativas vem sendo realizadas, mas ainda não são o suficientes, pois além da desinformação, é latente o preconceito em nossa sociedade em relação as pessoas portadoras das mais variadas deficiências...

O Brasil enfrenta um período difícil na educação: falta de valorização dos professores, pouco investimento na formação desses, parcelamento de salários, escolas sucateadas, infraestrutura precária, poucos recursos pedagógicos, violência nas salas de aula, greves como resposta ao descaso que os governos tratam o magistério e outros tantos problemas que muitas vezes causam desmotivação nos educadores que se vêm com muitos desafios em meio a recursos tão limitados.

Nesse contexto, surge também o maior de todos esses desafios: educar um aluno surdo e passar uma boa formação para ele com tão pouco investimento na capacitação dos educadores. Desmotivados e com poucos recursos pedagógicos, os professores apesar de seus esforços hercúleos, pouco podem fazer de fato para ajudar a estes alunos tornarem-se sujeitos protagonistas. Os professores que trabalham com pessoas portadoras de deficiências físicas, são profissionais que são apaixonados pelo que fazem e possuem dose extra de dedicação, mas sabemos que apenas a boa vontade, infelizmente não é o suficiente, faltam recursos e incentivos. Com tudo isto, o aluno surdo encontrará desafios ainda maiores na busca por um emprego, qualificação profissional, na socialização ou tornando-se dependentes de terceiros.

Faz-se necessário, uma valorização maior dos educadores, que necessitam de uma melhor formação que vise à capacitação desses alunos não só para o mercado de trabalho onde encontrarão autonomia financeira, como também para a vida, ensinando-os a independência, autonomia e a confiança em si mesmos.


Boa Sorte a todos que farão a segunda etapa do ENEM neste final de semana.

2 comentários:

  1. Olá,
    Boa tarde,
    Somos do site Máfia dos Livros - http://mafiadoslivros.com.br/livros/ - e gostamos do conteúdo do seu blog.
    O que acha de apontarmos links recíprocos em nossas páginas?
    Agradeço de qualquer forma.
    Att


    --
    ___________________________
    Marco Pozzana - Máfia dos Livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Boa noite!
      Obrigado pelo contato. Sou parceiro, faremos sim esta parceria.
      Att

      Adriano

      Excluir